Show: João Bosco & Orquestra Sinfônica

“O pássaro desenha
No seu vôo estrangeiro
(Porque nada sabemos
De pássaros e vôos
E do impulso alheio)
Um círculo de luz.” Hilda Hilst

Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

O tímido João Bosco pisa o palco com passos do menino de Ponte Nova. O tênis branco certamente não combina com o paletó desengomado pousado pra fora qual a blusa escapa da calça, peixe saindo do aquário. Cabisbaixo começa a desfiar sua ladainha aprendida com os antepassados: Dorival Caymmi, Oxum, Silas.

Explico: digo ladainha porque é fácil notar a influência africana com caldo de galinha à mineira nos murmúrios do moço. O molho pardo é despejado por sobre a carne branca com elegância. Como se colocam os talheres dispostos na mesa circundando a lousa branca, a senzala é a Orquestra Sinfônica regida por Roberto Tibiriçá.

Tibiriçá, nome de passarinho ofegante, ágil, envolvente, é desta fatia de bolo que o maestro prova o fubá bem fermentado por João Bosco, que vai crescendo nas medidas dos ingredientes a receita do moço não há dúvidas: ora se coloca farinha de mandioca, na dose certa e concisa dos sopros graves, outrora se derrama leite de coco e dendê, no banho da escrava nua e mulata, apanhando, mas sempre Isaura no pau de arara.

É assim, juntando uma ave à outra que o tímido compositor e o extra-polido regente complementam o vôo: enquanto um utiliza o bico pra buscar minhoca o outro captura o barro para o ninho de João. Nem os flertes com as andorinhas atrás de verão, muito menos as flores se dando na primavera a ignorar sermão, o clima soteropolitano do mestre sala dos mares dissolve-se em lareira e inverno, na interpretação arrebatadora de Corsário.

Parece ser o desfecho para uma noite cálida, entre bocejos e sonatas, Eros e árias, o amor transpassando as órbitas de lilás, Dalila, Jade, musas enrustidas sob a pretensão das vestes de João: apenas um menino caminhando ao largo da ponte. Mas ele é conclamado a voltar para onde pisa sem nenhum alarde, como quem afunda o pé na terra batida de sua infância. Hesita, no entanto são irresistíveis os trancos que lhe impõe platéia e maestria.

Voltando ao passado lembro-me agora que no começo houve um exuberante Tchaikovsky, no início dos tempos, a esmo de Romeu & Julieta, uma conclamação de sinos, espadas, violinos, harpa, percussão, virada do século vinte e um para quando eram: um os nossos sonhos, uma entranha, indecifrável e única a música do menino João, que não cresceu ainda, com sua voz de vulto, mas já é moço: sorriso tímido de Ponte Nova.

Roberto Tibiriçá

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

13 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com