Raphael Vidigal estreia no romance com “O Sol Áspero”

“Num mundo de cartas de amor e de analfabetismo, de cartas que não puderam ser entregues, de vidas que não se deram por inteiro. Num mundo de instantes concretos iluminados asperamente, sem redenção” (trecho do prefácio escrito por Clara Albinati)

Quatro anos depois de lançar o seu primeiro livro, com “Amor de Morte Entre Duas Vidas” (2014), que reunia 75 poesias, e de produzir e colocar letra em 12 chorinhos para o álbum “Waldir Silva em Letra & Música” (2016), no qual se tornou parceiro musical de Zé Ramalho, o jornalista, poeta e letrista Raphael Vidigal explora um novo formato para a sua escrita. Não bastaram poesia e a letra de música para sanar a curiosidade do autor com passagens pelo jornal Hoje em Dia, rádio Itatiaia, portal Uai e que desde 2012 mantém o blog Esquina Musical. Especializado na área cultural e pós-graduado em roteiro para cinema e televisão pela PUC Minas, Vidigal é repórter do jornal O Tempo desde 2017.

As primeiras linhas de “O Sol Áspero” começaram a nascer no ano de 2012, quando o autor trabalhava numa empresa de consultoria ambiental e foi contratado para escrever da forma mais lírica e livre possível sobre a experiência de visitar 16 pequenas cidades do interior de Minas Gerais, a maioria com média menor a 10 mil habitantes. Entre elas estavam nomes como JOANÉSIA, TUMIRITINGA, FERROS, AIMORÉS, SANTA MARIA DE ITABIRA, MESQUITA, AÇUCENA, ITANHOMI, NAQUE, BELO ORIENTE, CARMÉSIA, IAPU, FERNANDES TOURINHO, ENGENHEIRO CALDAS, dentre outras mais.

A partir disso, deu-se a gestação de um romance experimental, pouco comum, na busca por uma linguagem única, que conseguisse condensar os reflexos daquela realidade rústica e áspera numa poética densa e sem precedentes na literatura contemporânea. O ideal era transformar o que se via no mundo exterior a partir de uma observação interior, subjetiva e reflexiva, em que sonho e real copulam, como, aliás, diz um trecho do livro: “sonho e realidade copulam (…). Após o movimento o olho ainda caça. Lança o atento lume, e então se espanta. Atrás do veludo azul: insiste o vermelho da ameaça”.

Para desenvolver o bojo desse romance, centrado na limítrofe relação entre poesia e prosa, foram necessários seis anos de revisões e várias versões, até que apenas o essencial estivesse contido nos parágrafos, que se apresentam ao leitor visualmente de maneira tão condensada quanto o próprio conteúdo da linguagem, indo ao encontro da premissa fundadora da linguagem concreta, que encontrou caminhos exuberantes na literatura e nas artes visuais. Símbolo maior do cinema de vanguarda, Jean-Luc Godard é uma das referências para o romance, assim como o tal poeta João Cabral de Melo Neto.

A respeito dessa experiência literária ímpar, a cineasta, desenhista, pintora, poeta e professora do curso de Cinema da PUC Minas, CLARA ALBINATI, doutora em Artes Plásticas pela UFMG, escreveu para o prefácio do livro: “Os instantes se desenham como na fotografia: a superfície fotossensível recebe essa luz que revela a imagem, a mesma luz que, por excessiva, vela a visão logo em seguida. Lembra o clarão do relâmpago benjaminiano, mas, aqui, a iluminação fugaz não ilumina (de súbito significado), mas é inclemente e aponta para um esvaziamento ou ao esgotamento do sentido”. Resta conferir!

Bio
Raphael Vidigal Aroeira nasceu em Belo Horizonte no dia 14 de junho de 1988. Graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo e pós-graduado em Roteiro para Cinema e Televisão pela PUC Minas, acumula experiências como repórter e crítico de Cultura dos jornais O Tempo, Hoje em Dia, Portal Uai e rádio Itatiaia. Atuou como entrevistador no programa Imagem da Palavra, na Rede Minas. Em 2014, lançou o seu primeiro livro de poesias, “Amor de Morte Entre Duas Vidas” e, em 2016, produziu o álbum “Waldir Silva em Letra & Música”, quando colocou letra em 12 chorinhos. Compôs marchinhas para o Carnaval da capital mineira, como “Santo Profano, Deusa Mulher”, “Retiro do Vampiro” e “Do Isopor ao Viaduto”. Publicou na revista “Contos do Absurdo”. É autor do blog Esquina Musical, mantido desde 2012.

Ficha técnica
Título: O sol áspero
Autor: Raphael Vidigal
Páginas: 96
Editora: Gentil Editora
Preço: R$ 30

Serviço
O QUÊ. Lançamento do livro “O sol áspero”, de Raphael Vidigal
QUANDO. No dia 8 de novembro (quinta-feira), a partir das 18h
ONDE. Asa de Papel Café & Arte (rua Piauí, 631, Santa Efigênia)
QUANTO. Gratuito

Confirme sua presença no link: https://www.facebook.com/events/363118847760486/

Crédito das fotos: João Paulo Vale/Divulgação

Prefácio e ilustrações do livro: Clara Albinati

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com