Humor: Jorge & Mateus – O Que É Que Tem?

“Já que não conseguimos amar-nos uns aos outros, por que não tentamos amar-nos outros aos uns?” Quino

Jorge e Mateus-O Que É Que Tem?

Dizer que o estilo autodenominado sertanejo (em alguns casos, universitário) colocou Goiás no mapa da popular canção brasileira, soa injusto. É inegável a quantidade de duplas estridentes, com refrões amargos, a emanarem da região. No entanto, é bom um exercício histórico.

Muito antes de Jorge & Mateus, surgira Zezé di Camargo & Luciano. E ainda antes deles, em tempos, hoje, remotos, despontou por aquelas bandas, com o preconceito da intelectualidade contra a cara, um tal Odair José, a cantar pílulas anticoncepcionais, prostitutas e empregadas.

No primeiro lote dessa lotação, é bom lembrar, quem abriu porteiras e portas emperradas foi o passional Lindomar Castilho, que cometeu crime contra a própria esposa, e ao confundir mentira e realidade, empostou arma dilacerante disposto da mesma raiva com que bradava a plenos pulmões no microfone. Não resistiu aos boleros da vida, e terminou julgado e preso. Embora hoje, após cumprir a pena imposta, goze da liberdade.

Mais adiante, no início da década de 80, o irregular Léo Jaime contou debochadamente as peripécias de uma trajetória regada a sexo, drops e rock’ n’ roll. Foi um dos principais nomes do movimento, e não por acaso, tornou-se galã de filme, além de estrelar peças no teatro, televisão, e assinar crônicas num diferente momento da carreira. Além do deboche e dos inseparáveis óculos escuros, a garantir-lhe pinta de conquistador, Léo tem em comum com os outros o tema romântico.

Indiferente da sonoridade com que revestiram o repertório, os três citados, de Odair a Lindomar, passando por Léo, foram defensores ferrenhos da genuína composição de amor e ódio, aquela que entre tapas e beijos revela os colírios e cóleras de muitas noites. São canções desapegadas, ora extremas, noutra irreverentes, mas presas ao sentimento supremo do amor, enfim.

O que Jorge & Mateus, a dupla de empresários que volta ao topo das paradas tem a ver com esses três? Nada, absolutamente. Apenas o fato de pleitearem para si terreno em que caminham abonados, desprovidos de um tostão de espontaneidade e talento, ao improvisarem, cheios de pose, “clássicos radiofônicos”, cito de orelha: “O Que É Que Tem?”, “Eu Quero Só Você”, “Duas Metades”, “Pra Quê Entender?”, “Efeitos”. Sigam nesse cavalo de parque, eu vou ao encontro dos baios.

Lindomar Castilho

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade