Folclore indígena do leste de Minas

“Nomes em que você pensa –
Campânula-de-abril, Cachimbo-de-índio,
Pequenino

Caule sem espinhos,
Lago em cujas margens, imagens
Pudessem ser clássicas e imensas

Não esse tenso
Torcer de mãos, esse teto
Escuro e sem estrela.” Sylvia Plath

frida-kahlo

O veludo detém a resposta e impede a passagem. Veludo azul encobre a luz. Veludo grosso, escuro, ondula e mantém-se firme. Como todo ser dotado de expectativa e preconceito surpreende-se. As palhas cobrem os telhados das ocas e também sobre o chão. A erva incinera vermelha no cachimbo de espiga de milho. O lago abundante de peixes e crianças nuas a brincar. Cabelos lisos cobrem toda a testa e chegam a tocar sobrancelha. Mas isso foi no princípio.

Ao clima quente e seco não se acostumaram. Como todo ser dotado de costume é também de saudade. Penas enfeitam pescoços, calcanhares e robustos alargadores de madeira pelas orelhas. A vida que se modifica finda e volta. Como água. O massacre dos jesuítas não os diz nada. Mas a restauração da água. Pelas costas veio o boi bravo. Pela sombra das crianças mortas. Tentaram lhe tocar o chifre, acostumadas com a espécie nova de búfalo.

Mas o boi bravo, acostumado com a espécie humana, que lhe comia a carne, modificara-se. Indócil e turbulento modificara sua visão de mundo. Os chifres nervosos do animal deram o primeiro gesto de brutalidade do alto de oitocentos quilos. O pavor dos gritos, infantis e agudos, começa a ecoar e atingir as tocas, o pajé, o cacique. O perigo: correm rápido. Mas quando chegam…

Não que seja tarde, é que agora tudo se modificara, e era o índio quem ameaçava o boi bravo. Com o penacho em riste e um amuleto verde proferia verdades na língua de casa, há muito extinta desse povoado. O boi bravo, ao entender o recado, curva-se manso, deita na mata, abre um largo sorriso, começa a mastigar pedaço de não sei o quê vindo de nunca se sabe. O boi havia sido domado pela palavra, a raiz, o caule daquele índio bravo. Alvorecia na enseada.

frida-pintura

Raphael Vidigal

Pinturas: obras de Frida Kahlo.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade