Dona Ivone Lara (Samba)

Sonho Meu

Dona Ivone Lara. Ah, Dona Ivone Lara, quanta força de menina há no respeito com que te tratam. Pois conquistou essa alcunha brincando, bulindo travessuras, esquentando na xícara de café o leite adormecido da manhã, ao que chamaram essa diversão de samba-enredo, você aceitou, porque não? Afinal contava a história da sua vida, os sonhos, as fantasias, de bonecos que desfilariam nas avenidas do Rio, com toda a elegância imaginada, no coração verde e branco do Império Serrano.

Carnaval
Doce ilusão
Dê-me um pouco de magia
De perfume e fantasia
E também de sedução
Quero sentir nas asas do infinito
Minha imaginação

Nascida em berço esplêndido, sim, a pobreza também ensina, colhe sabedoria, Jesus Cristo veio ao mundo sob um telhado de feno, iluminado pela luz das estrelas, presenteado pelos Três Reis Magos, com ouro, mirra e incenso. Por que esta fatia de luz qual manteiga fresca na mesa, ilumina Dona Ivone Lara e seus passos sambados, e os presentes que recebeu foram três: vocação, cavaquinho e cadência.

Com a vocação, encaminhou-se para a música. Usou a pena sensível para escrever através das ruelas que via as mazelas de um povo, auxiliada por cavaquinho e as lições líricas aprendidas com a primeira esposa de Villa-Lobos, sem contar a escola da vida, onde exerceu as profissões de enfermeira e assistente social.

“Sonho meu, sonho meu
Vai buscar quem mora longe
Sonho meu
Vai mostrar esta saudade
Sonho meu
Com a sua liberdade
Sonho meu
No meu céu a estrela guia se perdeu
A madrugada fria só me traz melancolia
Sonho meu”

A cadência veio no ritmo, toda dengosa, verso e prosa, a rechaçar a derrota, e cantar a vitória da plebéia, rainha nobre maior do samba, tantas e tantas conquistas: “Sonho Meu” (parceria com Délcio Carvalho, cantada por Maria Bethânia e Gal Costa), “Os Cinco Bailes da História do Rio” (com Silas de Oliveira e Bacalhau, primeiro número do gênero composto por uma mulher), “Alguém me avisou” (gravada, entre outros, por Gilberto Gil), “Mas Quem Disse Que Eu Te Esqueço” (com Hermínio Bello de Carvalho, imortalizada por Paulinho da Viola), “Força da Imaginação” (com Caetano Veloso, alçada ao sucesso por Beth Carvalho), e outras.

Raízes africanas, romances leves, exaltação à beleza. E o mais bonito de tudo, todas dadas de mão beijada a todos, com carinho, de Dona Ivone Lara.

“Saudade amor, que saudade
Que me vira pelo avesso, e revira meu avesso
Puseram uma faca em meu peito
Mas quem disse que eu te esqueço
Mas quem disse que eu mereço” 

Dona Ivone Lara e Caetano Veloso

Raphael Vidigal

Lido na Rádio Itatiaia por Acir Antão dia 15/04/2012.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

3 Comentários

  • Como Arlindo Cruz escreveu e contou nesse carnaval, Ivone Lara é “a rainha da casa, mãe esposa de fé
    diz que o dom de compor é coisa de mulher”

    Resposta
  • Dona Ivone Lara merece todas as homenagens. Agradeço a todos que comentaram. Abraços!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com