Dança: Circo Moscou

“que todo o amor assim como todo o conhecimento é lembrança” Kierkegaard

espetáculo no gelo

Passaram-se dias desde que esmiuçou coração gelado. Duas perninhas desinibidas, assanhadas o suficiente para patinar no gelo, brotaram de dentro mim noite. Rufos nos tambores, palhaços, moedinhas douradas, tudo claro como a luz de Sininho, noite.

Havia uma comoção no ar, gárgulas esperavam na fila, para entrar, aconchegar-se em seu lugar, com a paciência de moscovitas. Acostumados à guerra, ao frio, eles agüentam firmes, duros, gélidos. De dentro de suas bocas um bafo seco conduz sorrisos elétricos ligados na ignição.

Tomadas brilhantes, brinquedos de crianças enfeitam o nariz dos palhaços, a barba dos mordidos, o moribundo pedindo esmola ali no chão, caído, ninguém daria atenção, não por ser quem é, mas é tratar-se do circo. Avisto.

Chegou como chega a carruagem de abóbora, tão definhada e disforme, lótus de Zeus, raio da sorte. Que quebra como a indagação o silêncio e acende o desejo no âmago (assim super estimado, indefectível lançar de espadas à infância estriada).

A primeira entrar em cena, não me lembro, já se passaram muitos dias e o que pego e levo à boca como chocolate em dia de Páscoa é a espichada dançarina dos bambolês incontáveis, praticamente enigma do coelho de relógio, sem tempo sem tempo sem vento a desarrumar os cabelos ou o esqueleto ou a maquiagem (que não borra) ou o rebolado. Ela é a dona do picadeiro, tem o controle, os olhares.

Fantásticos arrebóis gravitam propondo intersecções entre alma e corpo, logo uma respiração desafiará a gravidade, romperá limites, imiscuirá tanto e a tal ponto, do sono agarrar-se em sol enquanto sonho tece suas linhas pândegas. Lona improvisada sob lobos, uivo dos bailarinos russos. Desatino, gauche.

Circo Moscou

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

8 Comentários

  • Grata por compartilhar, Raphael. E por partilhar, Tricia. Bom dia pra gente!

    Resposta
  • Olá, parabéns pelo blog! Venho aqui lhe convidar para cadastrar-se em nosso agregador de conteúdo e divulgar cada vez mais seu blog, gostaria muito se pudesse participar, é totalmente gratuito e um ótima maneira de divulgação, não deixe de participar com seus ótimos artigos, espero você lá!

    Resposta
  • Lindo o espetáculo ele é perfeito para todos q apreciam a arte circense

    Resposta
  • Olá pessoal, todos que amam e curtem a cultura e arte
    A Virada Cultural de BH está chegando.
    Foi criado um site para receber sugestões de eventos culturais para compor a virada. Vamos contribuir e enviar sugestões bem bacanas.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade