Crítica: Exposição de Fernando Botero retira beleza do improvável

“Desde então a tive na memória com tamanha nitidez que fazia dela o que queria. Mudava a cor de seus olhos conforme o meu estado de ânimo: cor de água ao despertar, cor de açúcar queimado quando ria, cor de lume quando a contrariava.” Gabriel García Márquez

Fernando Botero abusa das formas redondas

É possível dizer que o colombiano Fernando Botero é um artista tão típico quanto foi o italiano Modigliani. Se neste prevalecia a estrutura lânguida no atual predomina a rechonchuda. Uma das marcas de Amedeo era a opacidade dos olhos, enquanto em Fernando é da presença que resulta a falta. Embora estejam lá são olhos distantes, ausentes, tristes, reflexivos ou concentrados, imersos em um circo de cores e na abundância das formas. Botero pega modelos comuns, em cenas banais, cotidianas, e com olhar específico para camadas menos abastadas da sociedade colombiana e torna-as absolutamente incríveis, no sentido de não poder acreditá-las, pois, a exemplo do que pregou o teatro dialético de Brecht é do não-realismo que o real nasce.

A tipicidade de Botero, como em Modigliani, consiste em que, para além da temática, permanece a forma e a palheta de cores. Seja para compor o busto de um animal ou humano, independente de sexo, idade ou ofício, nessa composição todos se irmanam. Vale para quadros e esculturas. Afinal de contas há algo de comunhão, de trazer à tona o que torna iguais todos os diferentes, não só na hora da morte, como também nas tintas de Fernando. A diversidade traz na raiz seu ponto de encontro, donde a tolerância surge. Pois se esteticamente a esta técnica será atribuída o estilo de Botero, o conteúdo tem ainda mais a dizer aos de sua geração e posteriores, sem a inocência de acreditar que uma exista sem a outra. O choque acontece ao vermos nossa beleza no improvável, nesta conciliação da exuberância com o olhar diário.

Serviço
Exposição Fernando Botero – Pintura, escultura e desenho
Data: 5 de agosto a 27 de novembro de 2016.
Local: Museu Inimá de Paula (Rua da Bahia, 1201, Centro) – 1º andar.
Horários: terça, quarta, sexta e sábado das 10h às 19h.
Quinta, das 12h às 21h; Domingo das 12h às 19h. Entrada franca.

Botero criou marca indistinguível na história da arte contemporânea

Raphael Vidigal

Imagens: Obras de Fernando Botero.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade