Crítica: espetáculo “Dente de Leão”, do grupo Espanca!, erra e acerta no deboche

“O jovem, justamente por ser mais agressivo e ter uma potencialidade mais generosa, é muito suscetível ao totalitarismo. Eu só me acho parecido comigo até os dez anos e após os trinta. Eu já era o que sou quando criança. Na adolescência eu me considero um pobre diabo, uma paródia, uma falsificação de mim mesmo. Por isto, digo aos jovens: não permaneçam muito tempo na juventude que isto compromete.” Nelson Rodrigues

dente-de-leao

Os “ares de superioridade” que caracterizam a adolescência acabam por contagiar os envolvidos na peça “Dente de Leão”, uma montagem do grupo “Espanca!” com texto de Assis Benevenuto e direção de Marcelo Castro. Em ambas as funções fica nítida a ambição pela originalidade. Não é fácil abordar, no teatro ou em qualquer outra arte dramática, esse período da vida, sobretudo pela tendência ao piegas e à demagogia, mas ao comprar esse ideal juvenil sem ressalvas, ou até certa reserva, o próprio espetáculo se ressente de um senso crítico mais apurado e menos moralista. Embora na forma de perguntas, as principais interlocuções das personagens denotam mais certezas do que dúvidas, o que os leva ao inevitável didatismo que aspiram combater. Dentre as discussões aludidas, destaca-se a da representação.

 
O trabalho de composição dos atores, em especial o trio que se reveza em mais de uma personagem, casos de Alexandre de Sena, Lira Ribas e Gláucia Vandeveld, deixa claro para quem quiser ver e ouvir que se trata de excelentes intérpretes, cujo desempenho só não é superior devido às falhas de abordagem propostas. O mesmo se pode dizer de Gabriela Luiza, Raysner de Paula e Gustavo Bones. Quando o deboche adota a medida certa temos ótimos números, que mais do que apontar o dedo e exacerbar a revolta ou o ridículo das caricaturas se vale de gestos contidos e arraigados à nossa memória. É o caso específico da coreografia das estações apresentada em cena e que, não por acaso, encerra o espetáculo. Há também uma bela trilha sonora, boa iluminação e cenografia e figurinos a contento.

Espanca! Dente de Leão

Raphael Vidigal

Fotos: Gabriel Andrés Caram.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com