Artes Plásticas: Goya

Exposição salienta espírito contestador do artista

Artes Plásticas

Eu chorei de felicidade, como há muito não chorava chuva… Os meus contemporâneos são todos inertes refluxos, tenho que amanhecer. Nas profundezas de Goya, espúrios jatos de massa grossa, pastosa, espessa camada sob a superfície viva da vida. “Escrever com sangue”, explode Nietzsche.

É um gozo, um regozijo dançar no lago escuro do amor trêmulo. A arte ilumina redenção aos desesperados. A opulência das carnes defronta o olho vítreo da fome. Violência que brota bruta. “Não escondam a loucura”, pragueja Allen Ginsberg.

Em oposição aos meus ‘conterrâneos’, não pretendo realizar, mas fantasias. Burro em corpo de gente. Calda de espanto futuro. Coruja espia o martírio. “Começou a explorar o Abismo, Plantou um frutífero pomar”, profetizou William Blake. Pois é que “o sono da razão produz monstros”, escritura de Goya.

Enigmática poção, onde vamos deitar os lençóis que envolvem a pele já cheirada de azedo. Goya é meu posso, caldeirão afundo ditos bruxos feitiçaria. Vincos cravados carcomidos pela funda Inquisição? Há movimento na luz e sombras. Prova o gosto onírico, instinto de cavalo alado. Carruagem de anjos negros.

Evoco El Greco. Louco demônio, selvagem. Flores róseas demolindo tosca melancolia. Lúgubres saudades, cristais de lágrimas. “O canto sensato dos anjos se ergue do navio salvador: é o amor divino.” Rimbaud. Música de Beethoven. Que a sua tragédia assim quis que a foice lhe calasse as fadas sensoriais do ouvido. No grito de alcova, o coração em espécie.

Escorre lucidez de Michelangelo ou a loucura de Camille Claudel? Um corpo incompleto, condensado em inventivos órgãos. “Que não te baste nunca uma aparência do real”, adverte o místico Caio Fernando Abreu, e sua música esmeralda. Dentre os cabelos vermelhos de Curupira, queima-me o fogo das gravuras religiosas. Com seu viscoso caldo. “Pois a minha carne é comida e o meu sangue é bebida. Aquele que come a minha carne e bebe o meu sangue mora em mim e eu nele…” João 6.54-55

Exposto nas paredes sem pintura da prefeitura de Belo Horizonte, Goya aliança a imagem de Guimarães Rosa: “O que um dia vou saber, não sabendo, eu já sabia…”. O texto se antecipa a mim. É ele quem diz como ser dito. “Tenho desejo forte, e o meu desejo, porque é forte, entra na substância do mundo.” Fernando Pessoa. Esmeros caprichosos de Goya.

Gravuras satíricas

Raphael Vidigal

Gravuras: “O sono da razão produz monstros”; e “Auto-retrato” da série ‘Caprichos de Goya’.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com