Artes Plásticas: G. T. O.

Mostra revela arte genuína do mestre mineiro da escultura

Artes Plásticas

Vede o verde em flor? A roçar nos alvos campos, de brancura incolor? Chama-se magia esmeralda, a esmerada música. A que se julgou. Sob o deleite dos homens. Que em meio ao jardim sem flores. Inventaram meios de se re-compor.

Martelo com asa de besouro vira o quê? Vôo cego, casca rija. Árvores e árvores transformadas no corte da madeira que assimila o homem: desejos, angústias, saudades, loucura. Sigla ou iniciais capazes de representar o todo resto do mundo.

Geraldo Telles de Oliveira, escultor genuíno, carpinteiro das formas e vultos e vilas e válvulas da humanidade mestiça, embrenhada, alargada e grudada em si mesma, nas correntes de uma argila simples e janela.

Argila da alma, janela do coração. De um jeito ou de outro, G. T. O. , já com nome artístico, peruca simbolizando a coroa que queriam lhe negar a torto e a direito, desengomou as dobras mesquinhas da cadeira considerada limpa para pés tão sujos.

Pé no chão e mãos para o vento, sacudindo o frescor dos passarinhos foi como aprendeu a tocar no mais duro e eriçar toda a sua moleza invisível. Homem que retira da superfície aparente, a essência mergulhada nas profundezas de um baú cheio de ouro, jóias, diamantes.

Em Divinópolis enxergar sereias, peixes, escavações, Cristos, pobres, ricos, anjos e demônios. E todos interligados, de safanão tocando a cara um do outro, onde sem expressão a soberba dos traços cumprimenta em linhas e dedos a circunferência cíclica colossal diurna noturna gorjeia irrevogável da vida.

Seja nas minhas Gerais ou nas Minas particulares, G. T. O. saliva o sangue puro e pétreo armazenado nos canhões, nos tentáculos, nos porões, nos cortiços, nas cortinas e cavernas do meu nosso dia-a-dia a dia adia ajuda a Judas. “Um dia a árvore dos sonhos inopinados desabou na cabeça do escultor GTO”. Lázaro Barreto 

Geraldo Telles de Oliveira

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade