Análise: 70 anos de Rogério Sganzerla, o mais marginal dos cineastas

“Ser marginal foi uma decisão poética. Os marginais estão mais perto de Deus. Toda ovelha desgarrada ama mais, odeia mais, sente tudo mais intensamente.” Cazuza

Se a estética do precário criava laços entre os criadores do “Cinema Novo” e os entusiastas do “Cinema Marginal” havia uma questão mais fundamental a separá-los: a do conteúdo. Rogério Sganzerla foi, sem dúvida, o mais inventivo e radical entre seus pares, que levou mais a fundo as considerações do modo de filmagem, em experimentalismo conceitual que, provavelmente, só encontra parâmetro na obra de Jean-Luc Godard. Não por acaso foi o mais difamado por Glauber Rocha no exterior, responsável por espalhar que Sganzerla era agente da CIA. Se o “Cinema de Autor”, ecos da francesa Nouvelle Vague era ponto em comum entre ambos, também se impunham ali egos e vaidades.

Irreverente, cômico, formalista, o “Cinema Marginal” não excluía a conotação política de suas películas, mas a subjugava à arte, ao contrário do “Cinema Novo”, a quem as condições sociais do país deveriam se utilizar da ferramenta cinematográfica como um suporte, algo que o supracitado Godard viria a defender nos idos 1960, em seu período maoísta, quando, inclusive, filmou Glauber Rocha recitando uma música de Caetano Veloso no ultra-politizado e comunista “Vento do Leste”. Sganzerla, que tinha asco de ficar datado, optou por uma abordagem que reverenciava marcas tornando-as difusas, casos das aparições de Zé Bonitinho, Luiz Gonzaga e Zé do Caixão, entre outros, em seus filmes, e literalmente rompia com toda e qualquer estruturação narrativa.

O que pretendia? Provavelmente escapar do tempo, dos limites determinados pela sociedade de consumo, das camadas que se interpunham entre as classes. Seu cinema, feito de filmes icônicos como “O Bandido da Luz Vermelha”, “Sem Essa Aranha”, “Copacabana Mon Amour”, e outros ainda menos vistos do que o costume, mas de igual qualidade, como “Abismu” e “A Mulher de Todos”, apresenta sempre um misto, sempre uma ruptura, embora, contraditoriamente, mas não por acaso, possua um nó górdio que, para além da presença maciça de Helena Ignez e do tom debochado prevalece pelo questionamento. Fica difícil determinar o cinema após a marginalidade de Sganzerla. Para quem prefere perguntas às respostas, é certamente um trunfo.

rogerio-sganzerla

Raphael Vidigal

Fotos: João Cerqueira; e Divulgação, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com