3 livros brasileiros sobre o futebol

“manchete:
CHUTES DE POETA
NÃO LEVAM PERIGO À META” Paulo Leminski

garrincha-pele

Que o futebol está na gênese da cultura miscigenada do brasileiro, eis uma ausência de novidade, porém que esta influência e transformação foi reportada e contada em livros por nossos maiores e melhores autores do gênero, e fora dele, inclusive, pode constituir alguma informação, se não de surpresa, ao menos reveladora. Afinal de contas se o drible, especialmente alguns deles, e lances geniais inventados por nomes como Didi, Garrincha, Pelé, Tostão, Sócrates, Manga, e outros, tais como a “folha seca”, o “elástico”, o “drible da vaca”, o “lençol”, e o “gol de placa” constituem para muitos entendedores e apaixonados verdadeiras obras de arte, mais certo ainda é que se o lugar de origem do esporte mais amado pelos brasileiros é o campo, ele também dá a suas canjas no cinema, na música, nas artes plásticas, no teatro, na dança e, porque não, no terreno fértil da literatura.

O Negro no Futebol Brasileiro (reportagem histórica, 1947) – Mário Filho
O irmão de Nelson Rodrigues, que o apelidou de “o criador de multidões”, e que dá hoje nome ao mais emblemático estádio de futebol brasileiro, popularmente conhecido como Maracanã, palco carioca de duelos inesquecíveis entre as equipes locais e do mundo inteiro, prestou papel fundamental para a história do jornalismo e, sobretudo, no resgate e valorização da importância do negro na cultura futebolística nacional. Lançado em 1947, Mário Filho desamarra, com esse farto e impressionante relato, os preconceitos ainda vigentes em sociedade pautada pela imposição de classes. Fica claro, como no samba, na capoeira, e em outras qualidades aderidas à nossa miscigenação, o quanto o suingue do negro tem a ver com o modo de praticar o esporte aqui estabelecido. Sem falar em Pelé, nosso atleta do século.

Estrela Solitária (biografia, 1995) – Ruy Castro
Um dos mais controversos e apaixonantes personagens do futebol brasileiro teve a sua vida dentro e fora dos campos destrinchada pelo jornalista Ruy Castro, na biografia que ficou conhecida e reconhecida como uma das melhores do gênero. Pela fartura de material, a minúcia de informações, a escrita precisa e temperada do autor e, principalmente, pela história em si que relata, “Estrela Solitária” é digna dos elogios imputados. Em 536 páginas conta-se a trajetória de Garrincha, o “anjo das pernas tortas” cuja imediata empatia com o público brasileiro tem a ver com a capacidade de transformar a precariedade em exuberância, e a maneira lúdica com que encarou toda a vida. Garrincha encarna ainda o herói martirizado, que vai do apogeu à ruína, da glória ao desastre, com episódios envolvendo nomes emblemáticos da nossa cultura, como a cantora Elza Soares, com quem protagonizou tórrido romance.

Quando é dia de futebol (crônicas, 2002) – Carlos Drummond de Andrade
Ainda pouco conhecido, o livro “Quando é dia de futebol”, lançado de maneira póstuma em 2002, revela faceta menos reconhecida do poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, considerado por muitos dos pares o maior no ofício. Eis aí a grande esmeralda, descobrir a maneira poética com que o autor percebia um dos esportes mais populares em seu país, a partir de crônicas que escreveu, sobre o assunto, para os jornais “Correio da Manhã” e “Jornal do Brasil”. Evidente que a característica fundamental da obra de Drummond se faz presente, afinal para ele havia poesia em tudo o que via. Desse prisma, passamos também a encarar o futebol doutra maneira, menos céticos e intolerantes, mais disponíveis e envolvidos por sua capacidade de encanto.

lan-1970

Raphael Vidigal

Imagens: Arquivo; e caricatura de Lan da Seleção Campeã Mundial em 1970, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade