Tentações da Carne

“Pode-se resistir a tudo, menos a uma tentação.” Oscar Wilde

artemisia-gentileschi

Para ela a página em branco era como uma maçã madura, lisa, com a casca vermelha ainda intacta, esperando a primeira mordida. No que olhava para a maçã já imaginava o buraco que seus dentes cravados fariam naquela carne de fruta. Essas associações explicam, em alguma medida, a sua tentação por padres. Tinha essa preferência, à imagem dum homem de batina vinha-lhe a página em branco, a maçã madura, a mordida. Seus suores logo escorriam alcançando as regiões mais profundas do corpo e da alma. Nesse quesito, não se fazia de rogada, de jeito nenhum, rezava a missa toda. Primeiro, era preciso se aproximar do padre, com um jeito meigo e arrependido que caracteriza toda e qualquer carola, independente da idade, depois, era necessário mostrar para a vítima o perigo que ela corria, e amordaçá-la.

Os padres são aqueles que pelo Eclesiastes, pelas tradições, o que consta nas Bíblias e nas mais diversas religiões, reivindicam-se proclamadores da “Palavra do Senhor”, portanto calar esta voz não é fácil. Embora poucos ouçam a voz de Deus muitos escutam aos padres. A pureza que representa um padre é justamente por ser ele a personificação do enigma, da ausência, do nada, do invisível que circunda o humano deste que veio ao mundo. Portanto, torna-se mais fácil entender as tentações daquela que via, no domínio desta figura, o contato com o divino, com o milagre, como se tocasse em Deus. As tuas provocações não eram simples divertimentos irresponsáveis, a tentação que sentia ante a figura de um padre tocava-lhe suas mais recônditas camadas. Se o maior elogio que se pode fazer sobre a existência humana no mundo palpável é mistério e prazer, ela era santa, quase.

Das tentações da carne, portanto, ela se via justificada, inclusive com uma leitura religiosa, mística, mágica, tudo que a poesia tem em contato com os anjos e fadas. Calhou de aparecer na cidade, porém, um padre sem nenhum calor, sem nenhum mistério, um padre sem asas, um padre humano, assim, reles e miserável, um padre de carne. Ela não quisera tocar aquelas carnes, e agora se culpava. Ela já havia conquistado todos os padres que passaram pela cidade, lhes tirado as culpas e exigido as mais sonoras confissões de amor, e agora se via diante de um padre áspero, sem a imanente presença celestial que recobria os outros padres como uma maçã madura, a página em branco a ser desbravada. Este padre, um dia, se aproximou dela, e quis saber por que não o tentava. Ela respondeu singela, com os seios flutuantes num decote baixo e o colo a ser apalpado: “É que sou santa, resisto aos pecados”. No que o padre, na manhã seguinte, deixou a cidade.

giorgione

Raphael Vidigal

Pinturas: “Susanna e os anciãos”, de Artemisia Gentileschi; e “Vênus adormecida”, de Giorgione, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade