Teatro: Pterodátilos

“Mas sem provocar ninguém, aceito apenas as rimas
De minha natureza estranha, sensível e sensual” Arrigo Barnabé

Teatro com Marco Nanini

Após a barba feita, um banho de água fria. Sento-me desconfortado nas cadeiras acolchoadas do pequeno teatro intitulado consciência. Nela submerjo até os meus antepassados, “Pterodátilos”, neles descubro a face oculta, cabra sacrificada do banquete servido com requinte e crueldade.

Sóbrio, sombrio, solvente, despeço-me da paz enganosa, ao sucumbir diante do vestido de Marco Nanini, uma garotinha de 15 anos, penas e planos, as primeiras de galinha, as segundas intenções de voos aterrorizantes e devastadores. É no sorriso banguela o oco do mundo casto.

Ainda tem a esparrela de me apresentar Mariana Lima, o descontrole, descontentamento abrigado em histeria, egoísmo, abandono. Pobre mãe pariste os desejos do hospício, e eles tem a repugnância de engoli-la, sendo tu a gerir e abocanhar medo imune. Consomem-se.

Sacode no esquecimento e desterro, casulo rompido, retorna a borboleta ainda coberta de cinzas que o gás lacrimogênio spray de pimenta bomba de Hiroshima AIDS acidente nuclear de Chernobyl o enfeitou. Álamo Facó, o irmão ignorado, a doença ignorada, a homossexualidade gay, o non-sense, a ignorância brilhantina.

Ah, e serve-nos bandeja de prata, a cabeça de João, profeta. Cai chão nosso de cada dia, pão amassado pelas patas do diabo, antenas captam as irreverências de cima, a gargalhada é protetora hiena a rugir de dor enquanto lhe arrancam orelha, focinho, sangue, semeia a discórdia e a loucura ingrata. Michel Blois é alvo mestre de parcimônia e reverência. Felipe Hirsch o guardião da espada. Daniela Thomas a teia bem costurada da viúva-aranha.

Súbito, Nanini Marco é o pai revertido pelos sonhos de infância interrompida, a revolta, a ofensa, o pervertido a soluçar os dedos aflitos do filho passando a mão em pente fino de pentelho e apatia débil, aturdida para elucidar transfiguração do gesto: a fuga já não é possível.

A fuga não é mais possível. Repetem os sinos e ratos, igrejas e pragas, tento segurar com o braço o peso dos erros horripilantes, mas a força da grandeza humana é menor que a tua condição de praticar o abominável. Que a nossa consciência inchasse, a moral chupava o azulejo em sublime impacto.

Peça Pterodátilos

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

9 Comentários

  • “o pervertido a soluçar os dedos aflitos do filho passando a mão em pente fino de pentelho e apatia débil, aturdida para elucidar transfiguração do gesto: a fuga já não é possível.

    A fuga não é mais possível. Repetem os sinos e ratos, igrejas e pragas, tento segurar com o braço o peso dos erros horripilantes, mas a força da grandeza humana é menor que a tua condição de praticar o abominável. Que a nossa consciência inchasse, a moral chupava o azulejo em sublime impacto”

    Perfeita descrição!!!!
    Mais objetiva, sensível, articulada e sonhadora, não há!

    Resposta
  • Posso comentar de novo???

    BRILHANTEEEEEEEEEE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Adorável, respeitável público! adorável, respeitáveis artistas, amável respeitável escritor!

    Resposta
  • “Cabra sacrificada”…quase um texto maçon
    O grisalho da foto…quase um Lineu
    “Homossexualidade gay”…quase um cruzeirense

    Resposta
  • Você tem uma sensibilidade musical admirável, meu caro e estimado amigo Raphael. Parabéns e grande abraço!

    Resposta
  • Boa inspiração, Raphael. A peça deve ser magnífica, e você sempre contribuindo, dando um pouco mais de brilho, realçando o belo. Abraço e obrigado pela lembrança!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade