Show: Renato Teixeira & Banda

“a coisa não está nem na partida e nem na chegada. Está é na travessia.” Guimarães Rosa

Romaria

O irredutível carisma de Renato Teixeira segue tocando a boiada. Como legítimo mártir da música caipira, o homem da barba branca, dos cabelos brancos, põe a viola dentro da sacola e vai viajar. Convida-nos a ir com ele: seus filhos (nascidos e criados) de uma sincera amizade.

Por entre estradas de ferro e terra, trilhos de trens e cores, referências a Caetano Veloso e Sérgio Reis, soa o berrante do segundo e a São Paulo do primeiro: duas musas inspiradoras do franzino homem do interior que “anda devagar porque já teve pressa, e leva esse sorriso porque já sofreu demais”, entoa junto com o coro da plateia o sucesso bisado por Almir Sater.

Enquanto desloca-se no tempo com inegável flexibilidade, Renato mantém a firmeza do caráter e a malemolência do humor necessário para se enfrentar o cotidiano. A repetição de paisagens, paixões, luares, é modificada pelo saber determinado e fluido daquele que desbravou (e ainda desbrava) preconceitos vários. Mazzaropi acena com chapéu de palha e cigarro aceso dentro duma tela.

Do sucesso popular da dupla “Vitor & Léo” a citação do há tempos clássico Guimarães Rosa, numa demonstração de desapego a etiquetas e definições primárias, o pequeno sujeito em cena transcende a grandeza aparente e alcança a intangível. Ainda que as interpretações não cheguem ao largo da emoção possível, o prazer de estar vendo o mito desfaz qualquer brevidade, entretanto, porém.

O canto do nobre violeiro é eterno: suas causas, seus quebrantos, a mandinga a amantar o povo, o folclore, o pescador, a garça na beira da lagoa. As lendas a entremear as Minas e cair no copo do boêmio Vanzolini, também chamado Paulo, em sua cadeira, num consultório chique do cientista, zoólogo. Uma sessão de divã para os brasileiros: “Ronda”, “Volta por cima”, “Cuitelinho” com improvisado incremento.

Renato Teixeira é de uma simplicidade tão clandestina que se torna difícil defini-lo. Talvez somente um pai ensinando ao filho os saberes aprendidos. Para isso a música, os versos, a navalha que corta a viola, o aço duro do planeta, e as cordas finíssimas, frágeis, o sentimento de cada ser: bicho, animal, planta. Fazenda, curupira, roça. Caipira porá.

Tocando em frente

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

11 Comentários

  • Adorei!!!!!

    Apesar da intangível emoção pela voz, Renato Teixeira tem seu lugar como “messias” do grande sertão veredas.

    E outra… perfeito esse final!

    “Renato Teixeira é de uma simplicidade tão clandestina que se torna difícil defini-lo. Talvez somente um pai ensinando ao filho os saberes aprendidos. Para isso a música, os versos, a navalha que corta a viola, o aço duro do planeta, e as cordas finíssimas, frágeis, o sentimento de cada ser: bicho, animal, planta. Fazenda, curupira, roça. Caipira porá.”

    Resposta
  • Ahhhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!!!!!!!! Um dia ainda quero ir num show dele! Deve ser legal demais!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade