POP-PÓS-ART (COM TOQUES DE SURREALISMO): A NOVA (PÓS) ARTE DA COLAGEM

“Mas é que eu não sabia que se pode tudo!” Clarice Lispector

pop-art

Pop-pós-art não é um movimento, nem alistamento, nem chamada. Até porque essas degenerações já estão passadas. Pop-pós-art pode ser entendida como um novo gênero, ou pra ficar mais bonito ainda, nova arte da colagem.
Sua influenciadora, a pop-art criava leituras novas através da imagem de ícones populares. A pop-pós-art não descarta nem limita populares, eruditos ou celebridades. Cria leituras e imagens novas a partir de frases, citações, textos, poemas, figuras, figurinhas e figurões pop e cult.
A matéria prima do processo é a colagem, que redimensiona o material ao deslocá-lo de seu lugar de origem, criando assim um novo (ou novos) significado (s) para ele.
A idéia da crítica depende do estilo do autor, podendo ser cínica ou feroz. Dessa forma, a utilização das colagens funciona não apenas como crítica àquele que está sendo referido, mas também como homenagem, e mais ainda, como explicitação das referências do autor, mostrando de onde partiu a idéia daquela sentença. (conferindo teor confessional ao gênero)

Sendo assim, Pop-pós-arte é uma forma de subjetivismo objetivo, o que lhe garante uma aura surreal, pois as colagens não aparecem como tal, mas sim como sequência natural, parte presente do texto. Pode-se entender que tudo vem de um mesmo e onipresente autor ou que se tem uma construção de diversos autores que dialogam em uníssono. É uma espécie de individualismo coletivo. Mais surreal impossível!
A ordem dos fatores altera o resultado, revela-se portanto um contexto extremamente estético. Podem-se criar vários textos utilizando-se as mesmas sentenças em ordens alteradas. De cima pra baixo uma coisa. De baixo pra cima outra coisa.
As ligações entre as frases do autor e das referências que ele escolhe para colar tendem a gerar sentidos múltiplos, pois a lógica da estrutura é a do pensamento onírico. Têm-se dessa forma textos recheados por um universo sonhador e fantasioso, aonde há a mistura e por vezes a fusão de diversos elementos/personagens. Fernanda Young bate-papo com Oscar Wilde, e Miguel Falabella segue o twitter de Sylvia Plath. Como num sonho têm-se o sutil e o extravagante, a crítica e a homenagem, o azedo e o doce, além do que pode ser tudo numa palavra só: Salvador dali que me mata.
Em outras palavras, Pop-pós-art é o velho, a meia-idade e o novo.
Parte do princípio que não se faz nada novo. Faz-se o que falta.
Afinal de contas, novo não é o que se inventa, é o que vem depois.
E segue-se o Espelho Mágico das idéias, de Mario Quintana: “Qualquer idéia que te agrade, por isso mesmo… é tua. O autor nada mais fez que vestir a verdade que dentro em ti se achava inteiramente nua…”
Eu sou a geração da minha juventude.
Ser original sempre cansa. (quem quiser coloque a vírgula onde quiser.)

truman-capote

Raphael Vidigal

Manifesto escrito em 2009.

Imagens: montagem com algumas obras da Pop-Art e do Surrealismo; e foto do escritor norte-americano Truman Capote, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade