Caderno H2O – 15/07/2016

“A borboleta desfruta/De bem pouca simpatia,
Embora com louvor citada/Na entomologia.
Por viajar livremente/E vestir uma bata apropriada,
Os circunspectos têm certeza/De que é uma devassa.” Emily Dickinson

VanGogh

Girassol
Na paleta meridional
De Van Gogh
Cabe o faminto
E o rocambole
Afinal era um holandês
Que bebeu
A luz o absinto e a prostituta
De um só gole.

Pecado
Deixe-me voltar a ser criança
Que a converta intimamente numa rosa
Eximida dos pecados de outra musa
Pois que a dele é do passado
E a minha é pura
Pois que delas pus-me outro
E agora volto
A ser criança

Deixe-me voltar a ser tua rosa
Que a convença externamente numa dança

pássaros
entre a anáfora e a anágua
o sibilo de um lábio
escapa

Flauta de pan
Faunos e fadas
música
Depois comer umas
uvas

Nêspera
Não é que eu
Não queira o feijão
Na mesa
O frango com quiabo
E a rapadura.

É que a essa altura
A vida pede um pouco mais de viço
Sushi, yoga
E aquela fruta.

A cavalo dado
Até se mostram os dentes
A gengiva
E a garganta.

Na cadeira de balanço
ou na cadeira de dentista
A boca está aberta.

E ecoam gritos

Cavalo

Poemas de Raphael Vidigal.

Ilustrações, feitas especialmente para essa coluna, por Cristiano Bistene.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade