Artes Plásticas: Tarsila do Amaral

“Ide, ide de mim!
Passa a árvore e fica dispersa pela Natureza.
Murcha a flor e o seu pó dura sempre.
Corre o rio e entra no mar e a sua água é sempre
a que foi sua.

Passo e fico, como o Universo.” Fernando Pessoa [Alberto Caeiro]

Tarsila-do-Amaral.jpg

No seio de uma fazendinha, a branca menina mama. A escrava luzidia de protuberâncias fartas oferece o leite, posta a incapacidade da matriarca. A menina espia o gado, a igrejinha, os porcos, e do colo da negra sente uma pontada. Está de pé, a espantar macacos. Do galho lânguido surrupiam bananas, regurgitando sementes.

A menina agora vive em São Paulo. Leva ao braço a filha, e no outro “a marca”. Cochicham as doninhas: – Esta, é desquitada. Mas de um bom marido, não precisa a Arte. A não ser a pena, o pensamento, as cores. Para o mundo um quadro. Tarsila apelidou-o: “Homem que come homem”. Oswald gostou. É o novo amante. Ainda não o apresentamos.

Nasce o “Abaporu”. Defronte há um cacto. Nas costas o sol. Queima as visões. O pé, disforme. E de resto, o monstro, nada tem de mal. A não ser o todo. Tarsila tem fome. Gula de Europa, prenha e Nacional. Das costelas de Adão, arranca a tranco e trança: Eva, índia, caipira, rural. Estamos em 22? Somos modernos ou ignorantes? Ambos, talvez os dois.

Tarsila se abaixa, toca no espinhaço, cultiva montanhas. Com esterco e minhocas, planta uma verde árvore. Tarsila se foi. Vive com operários. Clama a comunista revolução. Chora atrás das grades. Então abandona. Retorna à infância e ao quintal. Que é amplo. Mas Tarsila não deseja amplidão. Detém-se nas ânsias, angústias, fervores. Tarsila do Amaral.

Dos olhos de abacaxi. Do coqueiro nos cocurutos.

Tarsila do Amaral – Pintora e desenhista (Capivari, 1886 – 1973). Autora do quadro que inaugurou o Movimento Antropofágico nas Artes Plásticas, o “Abaporu”. Figura central da primeira fase do Movimento Modernista Brasileiro, cujo marco é a Semana de 22. Integrante do Grupo dos Cinco. Entre as principais obras está “A Negra”, “Manteau Rouge”, “Carnaval em Madureira”, “A Lua”, “Batizado de Macunaíma”, etc.

Raphael Vidigal

Pinturas: “Abaporu” e “Religião Brasileira”, de Tarsila do Amaral.

Tarsila-do-Amaral-Artes-Plasticas.jpg

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade