Análise: Principal marca de David Bowie foi recriá-las

“manchados por esses brilhos úmidos, mudavam de cor com a alacridade de camaleões:” Truman Capote

david-bowie

Originalidade e proposição são paradigmas fundamentais para a arte, desde o princípio. David Bowie os cumpriu com rigor e teve todo mérito nessa honra. Andrógino, criou personagens para a música, o mais emblemático de todos eles Ziggy Stardust, com o qual abordava a vida interplanetária, e atuou como protagonista e com destaque também no cinema, nos filmes “Fome de Viver”, “Furyo, em nome da Honra”, “Labirinto”, em peça teatral da Broadway, “O Homem Elefante”, e mais uma infinidade. De fato, ficar parado não era para Bowie. Daí a dificuldade em sublinhá-lo, traçar um limite para o artista. Logo, é padrão associá-lo genericamente ao pop, gênero que, por método e na definição, apreende a vários. Ou como bem dito por um dos vértices do nosso Tropicalismo, o bom baiano Gilberto Gil: “Ser pop é querer gostar de tudo”.

Bowie não caiu nessa armadilha porque sabia o que estava fazendo, mas preparou várias delas para seus aliados e opositores. Bissexual assumido, ou por performance, misturou, à primeira camada do olhar, vida e obra, sempre mantendo a distância necessária para não perder nem a crítica nem a elegância. Representou de maneira brechtiana para os holofotes, e o esmero com figurinos e cenários que objetivava sua ligação com as artes plásticas o prova. Ninguém mais apropriado a interpretar o ídolo Andy Warhol na tela grande, o que aconteceu de fato. Combatente de qualquer dogmatismo e a favor da expressividade humana em toda sua liberdade, David foi um ícone da arte que não se ateve a tempo ou espaço. Trouxe a ética do futuro, cuja principal marca foi a de recriá-las dia e noite. Qual um camaleão incapturável.

david-bowie-musica

Raphael Vidigal

Fotos: Arquivo e Divulgação.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade