Análise: Naná Vasconcelos foi músico da origem

“vento/que é vento/fica
parede/parede/passa
meu ritmo/bate no vento/e se
des pe da ça” Paulo Leminski

nana-vasconcelos

Naná Vasconcelos foi um tipo raro na música brasileira. Não era pra qualquer um, e misturava, em seu caldo, todos os gostos, ciente da abordagem popular que sempre o caracterizou. Natural do Recife teve em seus primeiros anos as influências de Jimi Hendrix e Villa-Lobos, tão díspares quanto complementares para o estilo harmônico que criou. O percussionista, que brincou e reinventou tons e modalidades para diversos instrumentos, mas, sobretudo, o berimbau, tão caro e essencial aos nativos indígenas e povos africanos que aqui chegaram quanto da ocupação do país pelos portugueses, já era uma figura de destaque mundo afora, por diversas turnês que empreendeu pela Europa e América do Norte, fosse acompanhando as bandas de Gilberto Gil, Milton Nascimento e outros, ou como artista principal; quando gravou, com Jards Macalé, em 1994, uma espetacular jam session feita em uma tomada só, batizada, como o disco, de “Let´s Play That”, um marco de irreverência que deixa ainda mais claro o caráter inventivo e libertário da obra de Naná.

Por isso se torna tão difícil traçar um paralelo do autor de peças como “Amazonas”, “Áfricadeus”, “Dança das Cabeças” e “Batuque nas Águas” para com seus pares ou mesmo os que vieram antes. Referência para músicos do porte de Egberto Gismonti e admirado por B. B. King e Paul Simon, com quem tocou junto, Naná, que colecionou prêmios, aclamações e também compôs trilhas sonoras durante a trajetória, era uma porção de sons e palavras remodeladas, mais um escultor do que um arquiteto, cujo sentido estético impregna todas as canções, tomadas, ainda assim, por conteúdos de consistência e massa. Marcada por motivos sociais, mas, em especial, buscando uma integração harmônica e respeitosa do homem com a natureza, sobressai na música de Naná a questão da origem. Se a origem do homem estava em ser bicho do mato e não de asfalto, e a do percussionista vinha dos ancestrais africanos o seu legado é um exemplo pronto, acabado, perfeito, de consciência e coerência, e, justamente por isso, aberta a milhares de mundos.

nana-vasconcelos-musica

Raphael Vidigal

Fotos: Arquivo e Divulgação.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade