Análise: Crítico, Sábato Magaldi foi além do óbvio

Poesia é a descoberta das coisas que eu nunca vi.” Oswald de Andrade

sabato-critico

Sábato Magaldi pertenceu a uma época em que era permitido e incentivado conciliar rigoroso arcabouço teórico à fluidez e pontualidade do texto jornalístico. Natural de Belo Horizonte cedo migrou para o Rio de Janeiro e logo depois São Paulo, capitais onde praticamente tudo acontecia em termos de inovação estética e criativa, recebendo cantores, escritores, artistas plásticos, cineastas e encenadores de todas as regiões do país. Sua preocupação era especificamente com o teatro, embora nesse meio não se restringisse a nada. Sábato dava pitacos em textos alheios, auxiliava atores em início de carreira e discutia concepções de cenografia com os montadores, mas foi, sempre, e, sobretudo, um crítico que soube enxergar além do óbvio. Que o digam Nelson Rodrigues, Plínio Marcos e Oswald de Andrade, entre inúmeros outros.

Estudioso, Sábato organizou com afinco, a partir de camadas perceptivas, o mais completo e que até hoje serve como parâmetro seminal à obra do no período devastado pela crítica Nelson Rodrigues, que se auto-intitulava “anjo pornográfico”. Foi também quem primeiro enxergou as qualidades cênicas e estruturais das peças de Plínio Marcos, outro controverso personagem, e elaborou, com amplo conteúdo, a importância de Oswald de Andrade, em livro, para o teatro brasileiro. Mas nem só de afagos Sábato desempenhou sua principal atividade, muito pelo contrário. Foi rígido e rigoroso em apontar defeitos inclusive em montagens incensadas, como algumas do Teatro Oficina de Zé Celso Martinez Corrêa. Acima de tudo, soube revelar o que não estava nítido, com elegância de escrita, para muito além dos adjetivos comuns.

sabato_magaldi_foto_bob_sousa

Raphael Vidigal

Fotos: Divulgação; e Bob Sousa, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade