A história de Frida, uma guerreira

“Quanto a escrever, mais vale um cachorro vivo.” Clarice Lispector

frida-guerreira

Ninguém ganha o nome de Frida à toa, seja por batismo consentido ou escolha alheia. Desde que a pintora mexicana tornou-se quase uma unanimidade mundial, nos idos de 1930 e 1940, a palavra se transformou, para além de seu sentido designativo, em símbolo de luta, perseverança, força, e, principalmente, ícone da liberdade feminina e valorização da mulher, além de trazer intrínseca a capacidade de reelaborar a dor real em beleza, fantasia e superação. Frida sofreu com doenças e acidentes, e a cada martírio que lhe atingia o corpo, preenchia com tintas as cores de sua alma em quadros impressionantes. Há que se dizer que a suprema consagração e alegria, para um artista, ao contrário dos políticos e outras figuras proeminentes de nosso estrato social, não é virar nome de rua, ponte, avenida, mas sim nome de cachorro.

A alguns quilômetros de distância geográfica daquela a quem sua alcunha presta homenagem, no Rio de Janeiro, uma cadela foi atropelada por um carro quando o elo de sua guia se rompeu. Por extrema infelicidade, acidentes dessa natureza ocorrem. Porém, Frida, a cadelinha, passou por inúmeras cirurgias, e hoje se recupera, embora necessite ainda de ajuda financeira e material para seguir o tratamento e percorrer sua batalha com os ímpetos de guerreira que a caracterizam. Certamente quando se lançou de encontro ao inevitável Frida tinha na cabeça uma frase, cunhada pela xará quando esta sofreu com graves limitações motoras: “Pés, para quê os quero, se tenho asas para voar?”. A fim de continuar a saga e permitir que nossa Frida continue a voar em sua existência, pedimos prece e ajuda, de toda e qualquer tipo, sem discriminação. Certamente ela saberá recompensá-lo com uma lambida nas fuças.

Frida-Kahlo-1942_Autorretrato-Loro-Chango

Raphael Vidigal

Para conhecer a página da Frida Guerreira clique em cima desta frase.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade