Show: Quarteirão do Soul

Espaço reservado para a dança e estilo norte-americanos atrai vários olhares

Dança em BH

Por mais que o ditado permaneça e as aparências continuem enganando, ninguém parece levar isso muito a sério na capital mineira, mais precisamente na Praça Sete ou atrás do Mercado Central, no que ficou conhecido pelo nome de batismo popular, o já famoso Quarteirão do Soul, um ambiente reservado para a dança e a música do estilo musical americano.

A fundamental diferença é que essa reserva na verdade é praticamente um acordo intrínseco entre os donos da rua, ou seja, todos aqueles que participam da vida daquele lugar, ou quase todos, predomina-se a presença de pessoas da cor negra, seja por tradição, seja por racismo apenas.

A música Soul é historicamente de ascendência negra, e isso parece ter grande influência sobre as pessoas que, aos sábados, freqüentam o lugar, o ambiente aberto de diversão e congregação, sem nenhuma responsabilidade com qualquer coreografia pré-determinada ou ensaiada, todos que se dispõe dançam simultaneamente, ás vezes respeitando o espaço do outro, algumas vezes se esbarrando, sempre sem nenhuma hostilidade, apenas se portando da forma como o lugar se habituou, anarquicamente.

Outros tantos somente observam atentos o espetáculo, de entrada franca e diversidade de artistas, pois os que se lançam ao centro do palco de asfalto desse quarteirão portam-se como verdadeiras estrelas, sabendo que estão sendo observados, e muitas vezes, mais do que isso, admirados: são os quinze minutos de Soul Music que o tal profeta anteviu.

Os observadores do show são peça fundamental, e se comportam com a elegância dos mais atentos e interessados espectadores, uns arriscam ensaiar alguns passinhos tímidos nas pontas dos pés seguindo o ritmo da música, outros não.

A atuação do DJ é de fazer emanar uma energia que explica em parte a animação e a alegria dos verdadeiros donos do espetáculo, os negros que passam, trabalham e passeiam por aquela rua e que agora ocupam o centro dela. São gestos exagerados e pulos eufóricos, tentando lembrar um pouco a coreografia ousada e inovadora que consagrou o ícone do movimento Soul, James Brown, famoso pelos escândalos, pela ginga e pela irreverência cadenciada, comprovando a tese de que o artista é sua arte.

Os olhares das pessoas que se punham no centro do espetáculo, e mesmo nas beiradas, ao redor das estrelas do dia, demonstravam despreocupação e desapego, eram os olhares de relaxamento após o stress de uma semana inteira de trabalho, que nesse caso parece significar um peso.


Eram olhares negros, da cor da pele, continham força e vontade, de estar ali e dançar, só dançar. No meio de tantos olhares, um destoava, uma mulher que trajava um macacão bem justo, preto, cabelo Black Power, flor amarela presa a eles, salto alto que a colocava nas alturas, alterada por algumas doses de álcool, e pele mais clara, que poderia significar alguma coisa, mas não, ela estava em casa ali no meio da rua e os olhares lançados contra ela eram os mesmos lançados entre os outros.

Por mais que o ambiente fosse marcadamente distinto e isso pudesse significar algum acordo tácito entre as raças, quem destoava da multidão dançante era quem não trajasse o modelo Soul Music, muito além da vestimenta, mas determinado pelo comportamento do ser, onde num primeiro momento todos os novatos que chegavam eram analisados, até que começasse o show e se percebesse quem fazia ou não parte daquele ambiente segundo os critérios dos donos da festa: ginga, irreverência, alegria, James Brown e dança.

A moça da flor amarela comprova isso. Pergunte a ela, ou melhor, observe-a. As aparências enganam, mas também ajudam a desenganar.

BH James Brown

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

10 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com