Show: O Terço

Banda alavanca viagens psicodélicas no Palácio das Artes 

Show rock

Retomamos a nave de 1974, o disco voador cibernético dispara guitarras e teclados, fuzis anunciam canhões de bateria, bombas disparam o baixo. Tudo sem parcimônia, com paz, amor e cerimonial digno de batas linhadas e limadas na transição do espacial para o espaço.

Círculos contínuos transcendem para uma mulher com rosto de gato, cauda de sapatilha e adereços mais de estranha bailarina. Rodopia na pia no ralo da cozinha intacto, recheado por rodelas de limão e laranja. Cítrica caipirinha a circular (de novo) pela cidade grande, na orla, no berço, no braço do grande irmão a lhe puxar pelo imã do chamado: um triângulo na testa.

Cubo mágico translúcido lúdico laço. Intermitentemente Luz e Escuro, Criaturas da Noite, eu escuto druidas roçando foices em caules de plantas, cogumelos intactos, com a cabeça e a cebola coloridas por pintas redondas e crepusculares. Mel e chá e chã e chão, ergo-me convicto de alcançar o entorno, mas somente teto tateio crédulo o tatu na toca do diabo.

Casa Encantada: de duende e fadas, cães e gnomos, leões e cobras. Mitologias ardem. Na porta um esperto atento senhor solfejo anuncia a entrada de pardais, casais de vozes que ao sinal assoviam em diletante harmonia. Música melodiosa minas gerais.

Cerveja cigarro cama. Missão científica. Catapultar as bruxas e suas risadas fúnebres, funéreas, divertidas. Mercúrio para curar machucado. Poças e poços. Alças e alçapões. Sob a maré extrema, malina, poema: são ‘Sentinelas do abismo’, a refratar nossos gostos. Passarinhos viram estrelas na Via Láctea pirada, no Universo ocidental maleado, no Oriente brasileiro minerado.

Rompe a casca do ovo pintado por Salvador Dalí, mãos de alicate esmalte adestram contrastes, lupas, pulgas e sol e dão. Ruminam no pasto passatempos enovelados em paralelepípedo ágil. Rituais cabais e cabalísticos canibalizando espécimes logros. Uivos maléficos de Fênix. Fênix ri? Sorri. Apito, pruridos, afronta. Anjos e demônios.

William Blake desce do céu, desencapa fios larga a capa negra sobre o rosto branco dos quatro rapazes: Flávio Venturini, Sérgio Hinds, Sérgio Magrão e o convidado especial Sérgio Mello. Com menção honrosa a Moreno. Ponto final. Plástico cartolina gongo bolha. Tremeluzindo ao sino capitólio. Capta asa bruscas. Rezemos todos ‘O Terço’, entre o religioso e o profano.

banda progressiva

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

10 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade