Show: Alceu Valença & Orquestra Ouro Preto

Músico pernambucano une as influências à mineralidade do erudito

Show com Orquestra

Alceu Valença é o artista tipicamente, genuinamente, nativamente brasileiro, um popular. Por isso a apresentação sua acompanhado da Orquestra Ouro Preto é desastre aéreo, explosão culpada de comoção, transformação e sentimento pela perda de algo tão precioso que volta (à origem).

O sino da capela inicia o ritual da noite, ainda faltando presença do mestre de cerimônia, sendo a regência entregue aos trabalhos do maestro Rodrigo Toffolo, empunhado de vestimenta e musicalidade adequadas. Frevos, batuques, badulaques, pérolas esquecidas o nome, por esse vão, reles manuscrito póstumo.

“A bruma leve das paixões que vêm de dentro
Tu vem chegando pra brincar no meu quintal
No teu cavalo, peito nu, cabelo ao vento
E o sol parando nossas roupas no varal”

Após estupendos números instrumentais, que correm do córrego ao vôo da volúpia, violinos, acordeom e dedos magros (e magos), transpassando um filete de cachoeira pela luz do brilho incandescente, há a vibração de palmatória, mãos e lombos estendidos para apanhar, ao sinal de pássaros-peixes.

Primeiro poema recitado violentamente por Alceu Valença, como de tua característica estima, transcorre aos ouvidos qual beijo estalado de namorada na porteira, na soleira, na ribeira do riacho, na subida da ladeira, na descida da escada. É mundo de castelos mágicos, princesas, príncipes, bruxas e maçãs envenenadas do amor.

“Morena Tropicana, eu quero o teu sabor
Oi oi oiô
Morena Tropicana, eu quero o teu sabor
Oi oi oiô”

Canta impertinente a platéia, o público, o povo insolente e entusiasmado, deixando o protagonista do pedaço, palhaço do picadeiro, por vezes, mudo. Salve a ‘Morena Tropicana’, e sua beleza de jabuticaba, viva ‘La Belle de Jour’, e sua francesa brasilidade, ‘Anunciação’ para a mãe do compositor, completa 98 anos nesta data, ‘Cavalo de Pau’ para os apressados, ‘Coração Bobo’ aos românticos esperançosos.

Todos esperam que Alceu volte, e ele volta, volteia, sestrosa maneira de gingar, barba e cavanhaque, modos de um distinto cavalheiro do apocalipse a saborear, dengosa, o sumo da condensação, condução, condão, da tua varinha despontam maravilhas.

Show com Alceu Valença

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

10 Comentários

  • Vidigal!!!!!!!!!!! Muito bom o texto!!!!! =] Tenho uns videos da apresentação! Depois te passo, pra vc postar aqui! Bjoooo

    Resposta
  • Ai q tdo!! Invejinha de vc!!
    Amo essa música!!! ‘La Belle De Jour’

    Resposta
  • Perfeito!! Vc escreve maravilhosamente bem!! Novidade neh?? haha Mas lendo seu texto parece que estou no show tamanha riqueza dos detalhes… descrição excelente!!! Suas palavras têm um tom crítico e pessoal, mas ao mesmo tempo possuem leveza!!! Parabéns escritor!!!

    Resposta
  • Maravilhoso!!!!
    Belíssimo espetáculo e texto perfeito. Muitos parabéns, Raphael…você merece!
    Beijos…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade