Rita Lee – Reza

“É, tudo bem, trabalhar para ganhar a vida, claro! Mas por que é preciso desperdiçar a vida que a gente ganha trabalhando para ganhar a vida?” Quino

álbum Reza

Uma senhora atravessa a rua, o arco, a serra da boa esperança. Rita Lee não esconde os pêlos pubianos (e públicos) nem as rugas vermelhos e negras! O suco gástrico esparramado pela cantora-atriz no divã deglute-se a conta-gotas.

No jardim babilônico que ela escolheu para passar a velhice, reclama como à juventude e pede mais sexo, menos yoga, reflete sobre as drogas (de todos os meios e tipos) ao som do bom rock’n’roll. Mas o ritmo que lhe satisfaz tem frutas e araras.

Coloridos infantis e petulantes sempre enfeitaram o quadro pintado a 7 mãos, masoquistas taras, loucura travessa duma menina desinteressada em resistir ao tempo, muito mais obtusa em rir com mal humor característico de sua promessa a cumprir.

Desejos e prazeres, quem conhece sabe, têm muito mais intensidade na espera, o regozijo gozo jato que antepara o baque eterno. Preces para que Deus dance, como pedia Nietzsche, logo na abertura dos mourões baixos desta fazendinha interiorana, pura simbiose com a filosofia ridícula e hilária (por isso mesmo verdadeira).

Extirpar as convenções desta paróquia universal, chamada mundo, planeta, terra, é a sua sina, que a maga realiza com os dentes amarelos, pois d’entre eles surge um trevo de quatro folhas: “Reza”. ‘Deus me perdoe por querer, que deus me livre e guarde de você’.

“Tô um lixo” recorda as lembranças áureas dos tempos em que a Rebordosa lançava língua fora a rigor para receber o que viesse, quando agora ainda solta veneno, mas promulgado pela medicina anatômica das naturezas insípidas em voga na geração saudável.

Os beiços bocejantes da maquinista puxam o sinal para que o trem ande mais lentamente, na pressa regedora tarde dos engomados, uma provocativa insinuação a meditar defronte seres de manhã interminável, “Divagando”. Com uma ‘Vidinha’ dessa difícil quem resiste a vomitar.

Combinando o óbvio a gírias pouco usuais na literatura, a cantora conjectura bem o espanto ao desânimo. Molequices e desabafos típicos de sua personalidade desobrigada e atrevida. ‘As Loucas’ versa na igual esfera, fêmea inquisitiva a expurgar os ânimos com chá de inquietação e liberdade.

O que sempre interessou na obra da artista é o discurso desacomodado e alegre, mesmo nos momentos de maior melancolia, conseguindo saturar a seriedade dos que se levam assim com irresistível talento para o escárnio. ‘Bixo Grilo’ exala luminosidades pseudo eletrônicas e progressivas, misturando idiomas, como quem revira a sopa da mosca derradeira.

‘Paradise Brasil’ não abandona a trilha, mas tira sarro da moda mundana e aglutinadora, qual hélice a arrastar o vento por distintos e malogrados. Embarca sem pudor na transbordante onda tropicalista que foi o ninho da ave-rainha. Maquiagens ensopam as bochechas neste misto de euforia e crítica patriota. De repente a calma… (violão).

Suspense de filmes de detetive, sons de bandas jazzísticas americanas, porquanto a musa soletra libidos ardilosas de dentro duma jacuzzi extensa, espaçosa o suficiente para arreganhar braços e pernas e assim, arrebanhar o ‘Rapaz’ como um cordeirinho pobre e assustado. Caiu na teia da viúva.

Estrategista serve-se de frágil para deter o controle. ‘Bagdá’ arrebenta com o cúmulo do absurdo, ao pescar do fundo duma refeição de letrinhas o necessário a montar o cubo quadrado das crianças, brincantes e teimosas, insistem na diversão como moradia. De lá ninguém os tira, nem o mais raivoso cão da adulteza (alteza essa, muito bem questionável).

Só palavra, ‘Tutti fuditti’ solta para caçar na savana a hiena que há na moça. Pois que ri de cara séria, é bem capaz de arrancar pedaços de carne deixando o coração da presa ainda vivo, a triscar de ventura e arrependimento. Ousadias mil com as figuras mais respeitáveis e os estilos destronados, ditados, italianos e malditos, guerreiros e aguerridos, salvaram-se todos! (ao som do apito, pito, o cigarro).

Multinacional e irrestrita como ela, ninguém melhor para cutucar a marca do momento, de gerações passadas e aquecidas, ‘Gororoba’ é o hino em louvor à destruição consciente, pautada pelo prazer que arremeda, mas não remedia. ‘Bamboogiewoogie’ descende a adrenalina duma selva, floresta amazônica, águas correndo, pássaros ao redor, em movimento, risadas claustrofóbicas duma bruxa presa no existir latejante da seiva duma árvore.

Tom Zé, o guru, paira, nos arremedos, arredores, persianas, cortinas, lupas, lugares, dissecação de sílabas, sonoridades, musicalidade mista e heterogênea. Rita atiça o bumerangue, ida e volta transcorrida num caminho de pedras de lodo, já o limbo, acena longe. POW!

cantora disco novo

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

5 Comentários

  • Curto Rita Lee ha mais de 30 anos, hoje, com 45 sinto como foi bom ser fã…quantos shows, quantos discos….delicia!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com