Quem são os melhores?

“A nossa ciência não é nem mesmo uma aproximação; é uma representação do Universo peculiar a nós e que, talvez, não sirva para as formigas ou gafanhotos. Ela não é uma deusa que possa gerar inquisidores de escalpelo e microscópio, pois devemos sempre julgá-la com a cartesiana dúvida permanente. Não podemos oprimir em seu nome.” Lima Barreto

O Grito, pintura de Edvard Munch

Por que tanto medo da subjetividade? A pergunta deveria estar direcionada ao próximo e semelhante, mas a guardei para mim. Chega a ser engraçada, para não dizer ridícula, a crença de alguns jornalistas sobre os adjetivos. Havemos de concordar num ponto: esse tal valor absoluto da qualidade já foi varrido, e não é de hoje. Se critérios elementares afeitos à técnica e circunstância nunca foram suficientes para julgar arte, e essa percepção instalou-se soberanamente sobre as cabeças desde a vanguarda (seja lá o que esta expressão alcance) só há um motivo para aqueles que se consideram especialistas no assunto se manterem presos a rédeas do passado. Ou melhor, dois: cisma de importância e defesa de mercado. Se toda opinião vale tanto quanto pesa a insustentável leveza do ser, qual seja: quase nada, logo, qual é o meu papel nesse mundo?

Aceita a irrelevância de cada fala, a soma de todas elas tende a conviver sobre o mesmo jugo da liberdade. E talvez seja este o outro incômodo. Estou cheio de talvez como a personagem de Mario Quintana que recebeu a Morte na cidade de Encruzilhada, e com isto a conseguiu espantar, ao contrário de quem disse “sim” ou “não”. Largada a certeza do “melhor”, “maior”, “histórico”, “clássico”, “simbólico” e “representativo” que preenchem as bocas da espuma de champanhe da verdade (espuma é bolha, estoura rápido), uma libélula (e, talvez, libelo) nos cochicha no ouvido: a experiência artística depende do repertório afetivo e intelectual de cada ser. E o valor da arte não está em outra coisa senão na capacidade de atiçar o corpo em suas esferas físicas, mentais. Pois afinal, os outros critérios atendem a teses, lugares de alguma objetividade.

Será possível que a tradição ainda nos leva ao erro de acreditar em palavras tão chocas como verdade, objetividade, parcialidade? Até parecem remédio, com esses finais sempre iguais. E do ponto de vista conceitual é essa a pior herança das faculdades de jornalismo, onde se ensina padrões no espaço da criação. É por isso que me agrada a não exigência do diploma, que relativiza a reverência a um tipo de ensino, conhecimento e aprendizado. É bom saber que eles não são os únicos, e as pedras se encontram em muitas estradas, não apenas no mesmo caminho de Drummond. Eu, subjetivo e irrelevante, sou a favor de um jornalismo menos óbvio, e mais sutil, mas pareço à deriva com minha garrafa nesse mar de ondas cibernéticas. Recorro aos antepassados: de Truman Capote, Paulo Francis, Nelson Rodrigues até ao Hunter S. Thompson.

Eles primavam pela forma, a ironia, a frase de efeito, o enredo. Qual é o meu papel nesse mundo, jornalista sem fatos? Primeiro o entendimento de que toda escolha sucede a nossa própria subjetividade, e que a riqueza contem-se no frasco da fluidez. A inexistência do absoluto, em qualquer área, é motivo para debate, conversa, papo: dessas atitudes dependem o nosso exercício diário de pensar, descobrir, refletir e contestar o mundo. Vê-lo a cada dia de um modo único. Talvez uma frase curiosa, bela, radical e anômala desperte mais a atenção (e contenha, inclusive, mais informações) do que datas, números ou coisa que os valha. A proposta é misturar o soro da seringa da verdade à beleza, magia, o onírico, o sonho. Nenhuma dessas realidades é absoluta. Nesse caso, o veneno ou remédio irá depender menos da dose que do paladar.

Truman Capote escreveu Bonequinha de Luxo

Raphael Vidigal

Imagens: pintura “O Grito”, de Edvard Munch; e foto do escritor norte-americano Truman Capote, de 1959.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com