Pérola da noite

“para um poeta, a fantasia é a realidade e a realidade nada significa.” Oscar Wilde

toilette

Peça teatral: Gângsters. Discussão: o que arranjar com pérola da noite. Quantos: quatro. Características pessoais: todos armados. Fisionomia: um gordo, dois fortes, outro alto. Fumam: charutos. Bebem: em copos quadriculados. Substância: desconhecida. Relatório para futuras providências.

Pérola da noite está amarrada no sótão. Não no porão. O cheiro ralo atrapalharia seu penteado. São loiros seus finos fios de cabelos dourados. Entretida com um espelho, passa batom nos carnudos lábios (cor: vermelha) e se diverte ouvindo a discussão no andar de baixo. Possuidora de seios fartos e um traquejo infalível para diferenciar whisky de rum, é, no entanto, solitária.

Concha. O único sinal que desperta pérola da noite. Desde moçoila procura. Resolveu, então, por iniciativa própria entregar-se aos gângsters. Claro, que, para isso, teve antes que assassinar a madre Ostra, uma italiana reacionária, que jamais entenderia os reais motivos de uma suspeita de fraude.

Pérola não consegue conviver com a luz solar. Por motivos claros. É certo que as profundezas do oceano lhe dariam abrigo soturno, azul-marinho. Mas isso não é o suficiente para uma pérola moderna e auto-suficiente como ela. Vê-se a necessidade de encontrar uma escuridão sim, dentro duma concha de alto quilate.

Sapateiro, o gângster número 1, o gordo, desequilibrado como um homem num salto-alto, sugeriu a alternativa que deixaria menos rastros: queimá-la. No entanto, entre cartas de baralho, logo foi descartada. O odor exalado seria insuportável. Voltaram então ao carteado, e depois de litros de rum e inspiração, surgiu outra sugestão.

Costureiro, o gângster número 2, o alto, possuidor de bigode de linhas finas de gato como o de Salvador Dalí, supôs que poderiam aproveitá-la como tema de um anúncio publicitário. Pena que não sairia bem na foto, pois era difícil arrancar-lhe um sorriso, os lábios carnudos sempre cerrados.

Ao que imediatamente apareceu outra voz! Sultão, o gângster número 4, outro gordo, chefe da quadrilha, bafejou: amarrem-na de cabeça para baixo e façamos um suculento prato, aproveitando as abóboras e cebolinhas!

Prontamente foi rejeitada a idéia. Tinham asco de canibalismo. Os outros. O chefe decepcionou-se, desistira. Ia quase ordenando que desamarrem-se pérola e a jogassem de volta ao mar.

O gângster número 3, Vestibulando, o forte, simplesmente não tinha idéia nenhuma. Só arqueava a cabeça para dizer se concordava ou não com as propostas alheias. Manteve-se calado no silêncio. No barulho, já não era de acudir tanto.

Então, decidiram pela primeira vez ouvir o desejo de pérola da noite, ela disse, com os lábios carnudos de batom vermelho: uma concha.

Não foi preciso mais nada, escalpelaram pérola. Venderam suas partes mais requisitadas em bisturis de joalherias, naquela época era grande a procura por cirurgias plásticas: seios, lábios, bunda, maquiagem, pernas, coxas, olhos e rímel, todos foram usados em peças de menor brilho e destaque.

Só a tua lágrima, lançada como rede em peixes, regressou ao mar. Onde ela espera afoita, furtiva, a que nunca veio: a concha.

Vermeer-vista de delft

Raphael Vidigal

Publicado originalmente no blog “O Ovo Apunhalado”, em 05/12/2011.

Pinturas: “La Toilette”, de Toulouse-Lautrec; e “Vista de Delft”, de Vermeer.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

12 Comentários

  • Raphael!!! Fantástico!!!
    Seus contos são realmente
    impactantes, uma delícia
    de se ler.
    Oscar Wilde deve ter se
    sentido feliz por ser citado
    em obra extravagante e bela.
    Parabéns, adoro seu estilo!!!
    Beijos

    Resposta
  • Q dó da pérolaa!!!! =/

    Mas lindoooo o textoo!!!!

    Adorei o Vestibulando super passivo!!!!!!

    hehehehe

    Beijoss

    Resposta
  • Achei muito bom, inusitado e com uma forma de narrar diferente, mais próxima à linguagem internética (se é que essa palavra existe). Quero ler os outros e, assim que o fizer, dou um retorno. É um prazer para mim.

    Resposta
  • Raphael Vidigal, já falei hj que vc é um gênio??? Parabéns!!! Fantástico!!

    Resposta
  • …nas tintas é assim tmb.

    “Everything you can imagine is real” Pablo Picasso

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com