Oscar 2012

Premiação suscita volta ao passado ao consagrar “O Artista”

O Artista

O Oscar 2012 parece ter elegido um grande vencedor. A produção belga-francesa “O Artista”, faturou o prêmio mais almejado da noite: melhor filme. Um filme mudo e em preto e branco que alude ao tipo de cinema consagrado pelo genial Charles Chaplin.

Há considerações sensíveis e formais a serem feitas a respeito. É de se assinalar que o seu grande concorrente, “A Invenção de Hugo Cabret”, dirigido por Martin Scorsese, faturou todos os mais importantes prêmios técnicos.

Ou seja, em mundo cada vez mais inchado por superáveis e cíclicas novidades da hora, olhar para o passado pode ser um grande trunfo. Isso porque não apenas “O Artista” foi premiado como melhor filme, mas levou também para casa (no caso, a França) as estatuetas de melhor diretor, para Michel Hazanavicius, e ator, com Jean Dujardin, que comemorou com inflamado discurso.

É subliminar o fato de que enquanto “A Invenção de Hugo Cabret” arrebata as mais diversas emoções com seus recursos tecnológicos em 3D a serviço da trama, e não apenas de acrobacias gratuitas, “O Artista” use de outro recurso técnico, mas antigo, o preto e branco sem fala, grifado pela envolvente melodia e olhares meigos de atores e o deslumbrante cachorrinho companheiro do protagonista.

Numa e noutra situação, o recurso formal ganhou as rodas de discussão sobre os filmes. É mérito no caso, pois ambos estimularam o conteúdo impregnado na tela de cinema, resgatando certa magia que se perde corriqueiramente em produções descuidosas e mercantilistas demais.

Há de se perceber, então, que nesse caso, o recurso mais surpreendente foi justamente a volta ao passado. O único prêmio mais importante que a produção inovadora por seu estilo clássico e encantador não abocanhou foi o de melhor atriz. Este prêmio ficou com Meryl Streep, por seu papel interpretando a Dama de Ferro Margareth Tatcher, que comandou a ascendência do neoliberalismo na Inglaterra.

Já o Brasil acabou perdendo a única disputa na qual foi indicado. O prêmio de “melhor canção” acabou indo para o filme “Os Muppets”, em detrimento da música composta por Sérgio Mendes e Carlinhos Brown para a animação “Rio”. No entanto, há que afirme que a canção brasileira terá vida mais longa que a americana, fadada a poucos minutos de fama. Como o que é bom permanece (nem sempre), resta esperar pra ver.

Quanto à pomposa cerimônia (festa seria algo menos quadrado), apenas gracinhas ensaiadas, anarquia zero (com exceção de Sacha Baron Cohen, o Borat que, fantasiado de ditador coreano foi expulso ainda no tapete vermelho). Nada mais a dizer. Apenas uma citação a Machado de Assis: “Ao vencedor, as batatas!”

Martin Scorsese

Raphael Vidigal

Lido na Rádio Itatiaia por Acir Antão dia 27/02/2012.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

11 Comentários

  • Eu gostei muito, acho que havia dois grandes filmes na disputa e o justo seria um dos dois vencer, que bom que isso aconteceu. É claro que sempre há algumas injustiças, prêmios pra lá de estranhos, mas no final das contas o Oscar me surpreendeu positivamente
    É sempre bom lembra que o Oscar é um concurso onde, na sua maioria, americanos brancos entre 60 e 80 anos definem por meio de uma votação o que para eles foi e deve ser nomeado como o melhor. O ideal seria sempre a vitória do trabalho mais marcante, porém isso ocorre poucas vezes.
    E sobre a música da dupla brasileira, com todo respeito, não consigo imaginar essa canção sendo lembrada por ninguém e nem tocando em rádio alguma.

    Resposta
  • Você falou tudo vidi, fiquei ainda mais curiosa pra assstir os filmes. O único que assisti, e por sinal amei, foi o “meia noite em Paris”. Grande beijo e mais uma vez, meus parabéns por ter esse dom tão raro de saber escrever e colocar as palavras no seu devido lugar.

    Resposta
  • Muito obrigado pelos elogios, Luisa. Também assisti ao “Meia Noite em Paris” e fiquei encantando. Justíssimo o prêmio de roteiro original. Woody Allen já escreveu melhores, mas ainda sobressai aos seus concorrentes mesmo em tempo de “suas vacas menos rechonchudinhas”.

    Resposta
  • “É sempre bom lembra que o Oscar é um concurso onde, na sua maioria, americanos brancos entre 60 e 80 anos definem por meio de uma votação o que para eles foi e deve ser nomeado como o melhor. O ideal seria sempre a vitória do trabalho mais marcante, porém isso ocorre poucas vezes.”

    Assino embaixo das suas palavras, Diego Scorvo!

    Resposta
  • Oscar só serve mesmo para promover os filmes e não reconhecer o méritos daqueles que foram os melhores.

    Resposta
  • Discordo de alguns comentários, acho que eles desviaram o foco do texto. Sobre o seu trabalho, sublime como sempre.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade