O Teto

“Num grão de areia ver um mundo
Na flor silvestre a celeste amplidão
Segura o infinito em sua mão
E a eternidade num segundo.” William Blake

agony-gorky

O sangue coagulado estava no teto, e continuava gotejando. Preso, duro, guardado, entregue às paredes do teto, era inexplicável que aquele sangue coagulado continuasse gotejando. Miriam está no chão. Atônita, não é capaz de chorar pela morte do irmão. Experimenta, ainda neste momento, dias após o enterro, uma sensação de incredulidade. Embora soubesse, desde o princípio, que o irmão estava fadado à morte, que esta morte viria, cedo ou tarde, e veio, de fato, mais tarde do que se esperava. Mas agora, neste momento, o sangue coagulado no teto continua gotejando. E Miriam está no chão. Atônita. Não é capaz de chorar a morte do irmão. Experimenta o sentimento de incredulidade.

O sangue não jorra. Ele segue lentamente gotejando. E Miriam está no chão, incapaz de aliviar esse sentimento através das lágrimas, que lhe escavariam os pulmões e, talvez, remotamente, essa possibilidade a salvaria da asfixia em que se encontra. Miriam está no chão, mas não está deitada. A impressão que se tem é que ali a jogaram. E talvez, não remotamente, esteja morta. Não é possível ouvir o som de sua respiração. Os olhos abertos estão roxos e inchados, com leves manchas amareladas, como as de um natimorto. É uma imagem desesperadora. Os braços estão abertos como os de um Cristo, e dos pregos de suas mãos o sangue jorra. O sangue no teto coagulado continua gotejando.

Do tecido roto que veste Miriam alguns buracos escapam. Nada emerge deles, nem é possível afirmar que há algo por dentro desses buracos. Existem dentro de mim os buracos, e no impulso de escavá-los, trago dormideiras-papoulas, essa espécie fantasiosa de planta que existe na Literatura, no Oriente Médio, no Extremo Oriente, e em regiões de Portugal. Dormem agora no umbigo do mundo essas papoulas, no umbigo de Miriam, santa, que já está morta. Destes buracos também recolho um arcabouço para analisar o sangue, coagulado, que está no teto, e gotejando. No entanto, para mim, não é possível alcançá-lo. O sangue está no teto, e eu com as palavras.

Há uma divisória intransponível entre o teto e essas palavras. Miriam está no chão, não está santa, mas está morta. O sangue está no teto, coagulado. Resta-me mudar de frase. Peço uma trégua, para as palavras. Peço uma trégua, para o sangue coagulado. Peço uma trégua, mas Deus é intolerante no aspecto da eternidade. Deus é intolerante. E com uma resoluta calma, triunfa. Desdenha do sofrimento das mulheres, dos homens e das crianças. Deus é intolerante, e implacável. A palavra se precipita, oca: “Só penso em oferecer coisas bonitas às pessoas”. Debruçadas as palavras, por pertenceram umas às outras, lambuzam-se com ameixas, jabuticabas, amoras, uvas e outras frutas roxas como os olhos de Miriam, esbugalhados, nas ameias da morte.

O sangue coagulado continua gotejando, mas no teto não há mais sua sombra. Do chão ele escorre pelos braços, pelos cabelos, a íris do olho, a língua da boca, os buracos do vestido roto, e há lá no teto, agora, uma vermelha papoula, dormideira, mas que abre os olhos para Miriam. Lembra-me o poder do vento. Sua saia rodada que um dia foi trapo hoje volta a resignar-se. Lembra-me o poder do vento. Sua pele vermelha que um dia fora exuberante pelo palor do sexo hoje volta a ajoelhar-se. E a conceder a dança da vaidade.

Archives_of_American_Art_-_Arshile_Gorky_-_3044

Raphael Vidigal

Imagens: pintura “Agonia”, de Arshile Gorky; e foto do artista, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade