O momento olímpico e político do Brasil

“Falávamos em índios, e ela me perguntou se era verdade que eles andavam completamente nus, mesmo em plena cidade, em meio aos civilizados. Disse-lhe que sim, acrescentando que no Brasil era comum os próprios civilizados andarem nus – os pobres por falta de roupa, os ricos por excesso de calor. A inglesinha fez uns olhos enormes e ficou absolutamente deslumbrada.” Fernando Sabino

Seleção Brasileira de Futebol Feminino celebra em ritmo de descontração

Em suma, a abertura olímpica, que é festa e é celebração, atendeu ao aspecto dionisíaco e antropofágico do país. O interino não recebeu mais vaias porque não lhe deram tempo nem para recitar um haicai do próprio punho. Interessante notar que nenhuma delegação exibiu tamanha diversidade de fisionomias quanto a brasileira, nem mesmo a potência norte-americana, ressaltando o atributo da miscigenação como a característica fundamental do Brasil. Até o momento o melhor golpe foi o desferido por Rafaela Silva, que conquistou o primeiro ouro brasileiro em 2016. Duro golpe é o que vem recebendo também a presidenta afastada Dilma Rousseff, agora no Senado.

Já a Seleção de Futebol Masculino parece finalmente ter engrenado. Ao contrário da Feminina que desde o princípio exibiu os dotes que levaram torcedores e órgãos de imprensa a comparar, por pirraça, Neymar com Marta, exaltando, obviamente, as qualidades da craque mais de uma vez eleita a Melhor do Mundo. Entre uma piscina verde aqui e um entrevero com a delegação australiana acolá, a peleja segue. Historicamente, é difícil que haja alguém mais frustrado por não participar da abertura do evento do que Lula, a figura mais envolvida no processo de trazer uma Olimpíada pela primeira vez para a América do Sul, em seu projeto um tanto ou quanto megalomaníaco…

Rafaela Silva comemora ouro no judô feminino

Raphael Vidigal

Fotos: Divulgação; e Marcelo Theobald, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade