Entrevista: Vander Lee + Dibigode

“Leva meu samba, meu mensageiro, esse recado, para o meu amor primeiro” Ataulfo Alves

compositor mineiro Ataulfo Alves

Esgueirando-se do jogo proposto pelo musicólogo Ary Vasconcelos, o músico e compositor Vander Lee é incapaz de sublinhar Ataulfo Alves em uma só palavra. Prefere três: cultura matuta mineira. E se estende prazerosamente: “É a impressão mineira ao samba, uma visão de mundo carregada de culpa, ligação familiar e anti-malandragem, típica da nossa Zona da Mata.”

O músico, que se apresenta hoje pelo Projeto Compositores.BR no Palco do Sesc Palladium, pretende esmiuçar o repertório de Ataulfo Alves a partir de canções clássicas que o tempo se encarregou de eternizar, como “Você passa, eu acho graça”, “Ai que saudades da Amélia”, e “Meus Tempos de Criança”.

Sobre o pioneiro espírito do compositor, retrata: “Ataulfo é, ainda hoje, um arquiteto importante para o samba. Ele explorou o campo harmônico com muita profundidade”, para em seguida resvalar na memória ainda intacta: “Lembro-me de meu pai tocando ´Meus Tempos de Criança´ em seu violão”.

A permanência de um ícone da canção popular como Ataulfo Alves é, de acordo com Vander Lee, atestada pelo culto das novas gerações ao músico: “Ele é referência obrigatória para quem quer saber como caminha nosso samba mineiro.”

ESSÊNCIA
Tiago Eiras, baterista do grupo mineiro Dibigode, responsável pela apresentação instrumental do repertório de Ataulfo Alves, define que “elegância” é a palavra-chave para se adentrar as melodias do mestre.

Para isso o grupo escolheu um conjunto de músicas bem conhecidas do autor, como “Laranja madura”, “Na cadência do samba”, “Atire a primeira pedra” e “Ai que saudades da Amélia”.

A respeito da forma com que o grupo apresentará as músicas, Tiago não titubeia: “será algo bem na onda do Dibigode, fugindo bastante do samba clássico, misturando ritmos, timbres e instrumentos inusitados, mas mantendo a essência da música.”

Essência que, aliás, transborda-se na forma de descoberta por Tiago e seus companheiros das canções de Ataulfo: “Foi como sempre, numa roda de violão, tocando Novos Baianos e de repente veio aquele susto, essa música não é deles, não, é de um tal Ataulfo Alves, mineiro bom de verso e prosa…”

SEM MALANDRAGEM
Filho do Capitão Severino, assim chamado o conhecido violeiro, sanfoneiro e repentista da Zona da Mata de Minas Gerais, pode-se dizer que Ataulfo Alves, natural de Miraí, nasceu em berço de ouro da música popular brasileira. Porque foi através do DNA paterno que aprendeu a retrucar as trovas que virariam versos, e mais tarde, clássicos.

Uma das mais notáveis qualidades de Ataulfo era a exibição de exímia classe e elegância, quebrando o paradigma do sambista relegado à malandragem. Além de compositor e cantor, atividade exercida quando acompanhado pelo trio de cantoras intitulado “Pastoras”, Ataulfo Alves era também violonista, cavaquinista e bandolinista, entre outras peripécias, alvo das pinceladas do modernista José Pancetti.

Banda toca repertório de Ataulfo Alves

Raphael Vidigal

Publicado no jornal “Hoje em Dia” em 16/10/2012.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

13 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com