Crítica: Não foi o coração do Galo nem o Deus da Raposa

“Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos” Nelson Rodrigues

galo-raposa

Cruzeiro e Atlético conquistaram os dois títulos mais importantes do país na temporada 2014. As equipes mineiras dominaram, assim, o cenário nacional, já que fora do âmbito doméstico o ano não foi de protagonismo, com o vexame da Seleção Brasileira na Copa do Mundo em seus próprios domínios, ao sofrer goleada de 7 a 1 para a campeã Alemanha na semifinal, e a perda da Taça Libertadores da América para os argentinos do San Lorenzo e da Copa Sul-Americana, com a eliminação do São Paulo para os colombianos do Atlético Nacional. Logo, é bom desde o princípio localizar bem as duas conquistas, longe de desmerecê-las, mas houve também fracassos dos campeões.

Cruzeiro e Atlético não foram capazes de se colocarem como os melhores do continente, mas deixaram claro para quem quiser ver que no Brasil, no momento, não há páreo. No entanto, é bom prestar atenção ao discurso dos vitoriosos, e contestá-los. Não é verdade que foi o coração do Galo e o Deus da Raposa o preponderante para vencer os adversários. O que não impede de constatar características históricas das agremiações com as quais é possível se identificar e que as mascotes representam tão bem. O Galo de briga, de rinha, de raça prima pelo esforço, pela superação. A Raposa é hábil, inteligente, prima pelo talento e criatividade.

Apesar disso tudo o jogador capaz de decidir os jogos pelo Atlético não é um poço de suor e lágrimas, é antes disso um talento em estado puro: Diego Tardelli. E também há no lado cruzeirense atletas que se dedicam e colocam a vontade em primeiro plano, como o volante Henrique e o zagueiro Dedé. Mas o que resolveu a parada, para os dois lados, não foi Deus nem o coração, e sim as pernas. O Atlético não teve chances de brigar pelo título na competição que o Cruzeiro priorizou. E o Cruzeiro não teve chances de brigar pelo título na competição que os atleticanos priorizaram. Ambas pelo mesmo motivo: faltaram pernas para o adversário e sobrou para o outro: na questão física, mental e de habilidade.

Assim, não é preciso uma autópsia para provar que a Raposa tem coração, nem que os jogadores do Galo ajoelhem no milho para se ter certeza de que ali não há nenhum ateu.

cruzeiro-atletico

Raphael Vidigal

Imagens: charges de Mario Alberto.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade