Cinema: Habemus Papam

“A beleza será convulsiva ou não será.” André Breton

Filme de Nanni Moretti

O cinema, não se deve tomar por inteiro. É um facho de luz, um feixe na cortina, o olhar, de quem filma. Um tacho de mel, a raspa da rapadura, o escândalo que nos vaticina. Sobre disso nos fala Nanni Moretti, no filme dele: “Habemus Papam”. Quero privilegiar as cenas de que me contaram, das quais nem o meu olhar foi refém. Não aguentei frequentar a saga do doloroso Papa em martírio. Por sono, pena, chuveiro quente à minha espera.

O cineasta italiano, que também atua no filme como um inveterado psicanalista, tenta em vão usar de conhecimento técnico para ‘curar’ o Papa, interpretado pelo veterano e bom de guerra Michel Piccoli, explicitando que suas teorias talvez sejam tão furadas e crentes num Deus como a da Igreja Católica, alvo do esbalde crítico do diretor.

Pois bem, o recorte da trama é a cortina de fumaça branca que se joga sobre os cardeais, e obviamente o próprio Papa, durante todo o tempo. Propondo o paralelo entre a peça de teatro “A Gaivota”, do dramaturgo russo Tchecov e as encenações católicas, Nanni aponta o dedo para avisar que ambos se eximem duma realidade, ao menos aparentemente.

É, porque concomitante a isso, o mesmo diretor alerta para que tal visão é apenas a que escapa das cortinas vermelhas e túnicas tingidas de ouro, ou seja, o que se expõe ao grande público adorador das cerimônias que servem de acalento ao homem: pois no núcleo tanto santos quanto sacristãos quanto mortais meros estão fumando, afogando mágoas em remédios prescritos, estimulando a competitividade inerente em jogos que podem soar divertidos ou gananciosos.

A fuga atabalhoada do carismático Papa, eleito mas não preparado para o cargo em sua consciência tumultuada (como as ruas nunca dantes exploradas de uma Roma em polvorosa), rende os momentos de comédia, para quem vê de longe, e tragédia, para os envolvidos diretamente no confuso problema do ser “mais próximo de Deus”. E que por ironia nenhuma é também o mais fraco, mais suscetível a dúvidas, e ávido por deleitar-se em desejos comuns: por exemplo, ser ator.

As interpretações individuais de cada cardeal (destaca-se Renato Scarpa), assim como do porta-voz da Igreja Católica no Vaticano (vivido por Jerzy Stuhr), do repórter desinformado e da mulher psicanalista (Margherita Buy) sublimam o caricatural, sem se importar com a relevância do realismo, e garantem a boa dose de qualidade de entretenimento do filme: um misto de reflexão e situações insólitas, como talvez seja a vida. Nem tão a sério, nem tão dramática.

Habemus Papam

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

12 Comentários

  • estou louca pra ver esse filme e sabe o que me chamou atenção? a música “Todo Cambia” na voz da Mercedes Sosa durante o trailer.

    Resposta
  • Diria que talvez seja a história do ano, porém com a safra atual, Habemus Papam está um pouco distante de ser considerado o “filme do ano”

    Resposta
  • Ótimo? Detestei completamente e não recomendo q ninguém perca tempo na vida assistindo aquilo! Sério! Rs!

    Resposta
  • Um dos filmes mais incríveis que já vi. Sinceridade pura. Ache boas atuações quanto aquelas, de tantos atores idosos, e esfregue na minha cara.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade