Centenários 2018: 10 sucessos de Adelino Moreira

“Boemia, aqui me tens de regresso
E suplicante te peço a minha nova inscrição
Voltei pra rever os amigos que um dia
Eu deixei a chorar de alegria, me acompanha o meu violão” Adelino Moreira

Angela Maria, Núbia Lafayette, Maria Bethânia, Angela Ro Ro, Tetê Espíndola e até o grupo punk Camisa de Vênus gravaram suas canções, mas é impossível dissociar o nome de Adelino Moreira da voz de Nelson Gonçalves. Tanto que o cantor gaúcho ganhou o epíteto de “O Boêmio”, após o estrondoso sucesso de “A Volta do Boêmio”, música de Adelino lançada por Nelson em 1957. A essa altura, a dupla já havia emplacado “Última Seresta”, “Meu Vício É Você” e outros hits da década de 1950. “Naquela época existia uma ligação muito forte entre o cantor e o compositor, que já fazia as músicas pensando em quem ia interpretar”, conta o radialista Acir Antão, apresentador do programa “A Hora do Coroa” na rádio Itatiaia. “O samba-canção é choro, tanto que antigamente falava-se choro-canção, e o Adelino assimilou isso numa música feita para combater o bolero”, completa.

Nascido em Gondomar, município da cidade de Porto, em Portugal, Adelino mudou-se ainda criança, com a família, para o Brasil. E foi dentro de casa que ele recebeu os primeiros incentivos para seguir o ofício que o consagraria. “O pai do Adelino era um poeta parnasiano, e passou esse gosto para o filho, que também tinha uma veia musical. Você pode notar em algumas músicas que ele gostava de buscar referências históricas”, observa Acir. No entanto, foi a cidade do Rio de Janeiro e suas desventuras noturnas que melhor serviu de cenário para as criações do poeta, letrista e compositor, que lançou um único disco, em 1969, intitulado “Encontro com Adelino Moreira”, e sete compactos de 78 rotações entre 1944 e 1948, antes de conhecer Nelson Gonçalves. O músico morreu em 2002, aos 84 anos. “Adelino foi quem melhor escreveu sobre a boemia dos anos 50”, avalia Acir.

“Última Seresta” (1952) – Adelino Moreira e Sebastião Santos
“Essa foi a primeira música de sucesso do Adelino lançada pelo Nelson Gonçalves”, informa Acir Antão. Um ano antes, o compositor havia tentado a sorte com a marchinha “Parafuso”, gravada pela dupla Zé da Zilda e Zilda do Zé, mas foi no samba-canção que ele encontrou um campo profícuo para o desenvolvimento da sua obra. “O samba-canção tem uma forma de andamento e dança igual ao bolero, mas é mais próximo do choro”, garante.

“Meu Vício É Você” (1956) – Adelino Moreira
“O Nelson estava gravando vários tangos do Herivelto Martins com o David Nasser, então resolveram lançar com ele o ‘Mano a Mano’, do Carlos Gardel. Mas tinha que colocar outra música no lado B do 78 rotações, e o Adelino ficava em cima do Nelson, que por insistência resolveu gravar o ‘Meu Vício É Você’. Essa gravação tem um improviso lindo do Jacob do Bandolim, e acabou que ela fez muito mais sucesso do que o lado A”, conta Acir Antão.

“A Volta do Boêmio” (1957) – Adelino Moreira
“O Adelino trouxe para a música brasileira elementos que eram pouco utilizados, ele cantou o universo da pura boemia com versos poéticos. Essa música conta uma história que se repetia na época, do sujeito que retorna para a rotina da roda de violão depois de um tempo em casa”, explica o Acir. A música marcou o auge da parceria entre Adelino e Nelson Gonçalves, ao atingir o número de um milhão de discos vendidos somente no ano de 1957.

“Escultura” (1958) – Adelino Moreira e Nelson Gonçalves
O gosto pelas leituras clássicas transmitido a Adelino Moreira pelo pai rendeu um fruto objetivo na canção. “Escultura”, parceria com Nelson Gonçalves, foi lançada pelo cantor gaúcho em 1958. Nos versos, o eu-lírico repete o desejo do protagonista da peça “Pigmalião”, obra do escritor irlandês Bernard Shaw: a de possuir uma mulher perfeita, seguindo as regras estéticas da escultura. Em 1964, a história inspirou o filme “My Fair Lady”, com Audrey Hepburn.

“Meu Dilema” (1960) – Adelino Moreira
“Esta música é uma bela homenagem do Adelino ao principal instrumento da música brasileira, que é o violão, que ele definia como amigo no afeto e na dor”, considera Acir. “Tenho a ideia de criar um pot-pourri só de músicas brasileiras em homenagem ao violão”, declara o apresentador, que também é cantor e, em 2015, participou do disco “Waldir Silva em Letra & Música”. A canção “Meu Dilema” foi outra lançada pela voz de Nelson Gonçalves em 60.

“Devolvi” (1960) – Adelino Moreira
Na década de 1960, o já consagrado Adelino Moreira, graças a um sem número de sucessos lançados por Nelson Gonçalves, deu uma guinada em sua carreira. “Devolvi” trazia uma voz feminina interpretando seus versos: era a de Núbia Lafayette, que na gravadora era tida como a aposta para ser “uma Nelson Gonçalves de saias”. Dolorida como as outras canções do repertório de Adelino, a música foi um impulso na trajetória da intérprete.

“Negue” (1960) – Adelino Moreira
O desgaste na relação entre Adelino e Nelson Gonçalves levou outro cantor a lançar um de seus maiores sucessos. Posteriormente gravada pelo próprio Nelson, a música apareceu pela primeira vez na voz do cantor cearense Carlos Augusto. Em 1978, Maria Bethânia seria a responsável por uma veemente e emblemática regravação. Até o grupo punk Camisa de Vênus chegou a gravar a música, assim como Cauby Peixoto e Ney Matogrosso.

“Fica Comigo Esta Noite” (1961) – Adelino Moreira e Nelson Gonçalves
Além de intérprete principal de Adelino Moreira, Nelson Gonçalves é seu parceiro em mais de vinte composições. A mais conhecida certamente é “Fica Comigo Esta Noite”, que virou tema de musical e título de filme erótico. Em 1980, Angela Ro Ro sublinhou a sensualidade da canção ao reforçar os tons de bolero contidos em seu ritmo. Outros artistas deram a sua versão para a história, como Agnaldo Timóteo, Simone, Núbia Lafayette e Fábio Jr.

“Seresta Moderna” (1962) – Adelino Moreira
Lançada em 1962 com a poderosa voz de Nelson Gonçalves, a música era uma clara provocação de Adelino. A ascensão de um novo gênero na canção brasileira começava a colocar de lado os cantores conhecidos como “dó de peito”, famosos pela força da interpretação. “Era uma crítica à Bossa Nova”, lembra Acir Antão. Os versos de Adelino tinham por claro objetivo atingir um nome em especial: João Gilberto, que era o principal artífice do movimento.

“Boêmio Demodê” (1971) – Adelino Moreira
“De vez em quando o Nelson gostava de esnobar o Adelino Moreira, e quando isso acontecia ele lançava outros cantores, como foi com o Carlos Augusto. Foi por isso também que ele começou a procurar cantoras, como a Núbia Lafayette, a própria Angela Maria. Mas a maior porrada para o Nelson foi quando o cantor Paulo Vinícius gravou ‘Boêmio Demodê’, porque as vozes eram muito parecidas e todo mundo confundia”, recorda Acir Antão.

Adelino Moreira e Nelson Gonçalves fizeram parceria de sucesso

Raphael Vidigal

Fotos: Divulgação.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com