Álbum: sou / nós

Primeiro trabalho solo de Marcelo Camelo condensa solidão ao barroco

Marcelo Camelo

Bucólico e minimalista, Marcelo Camelo caminha entre relva e plantas aquáticas, bonitas, que agora me escapam o nome. Monet as pintou em belo estudo impressionista. Trevo Dom Quixote dos morridos.

‘Téo e a gaivota’ sobrevoam a mata inerte, assolada em lodos, lamas, engodos, em tramas: “todo amor encontra sempre a solidão”. Romanos algarismos, distintos, destinos, reverberam as cruzadas, sinos sonos: “os ais e os hão de ser”. ‘Tudo passa’.

Um bezerro cândido é agarrado à mão d’outro enquanto mamava, ‘Passeando’: “e lá vai deus sem sequer saber de nós”. Somente uma voz e…violão. Cobra arrasta a barriga na encruzilhada, assoviando calmamente, à espera da ‘Janta’, ‘Doce Solidão’: “foge que eu te encontro, que eu já tenho asa”. Mas a insistente cidade bate à porta e da janela embaçada se a vê em cada fim de faixa o sorriso irônico-babilônico.

Mallu Magalhães sente-se à mesa de cinza áspero, colore a mais fosca pedra, companhia: “pode ser cruel a eternidade”. ‘Voilá’. Condiciona o búfalo perante a fazenda erguida por braços fortes como a terra: “ver o mundo feito faz o mar num grão de areia.” ‘Mais Tarde’.

Pede colo porque não dá pra viver sempre à beira: “moça, por favor, cuida bem de mim”. ‘Menina bordada’. Cavalo corre cambaleante crista contra cismas calejadas: “vou fingindo ser o que eu já sou”. ‘Liberdade’. Dominguinhos subestima a verdade da vida, com a sanfona além-compreensão.

Escreve uma página em branco (‘Saudade’). Clara Sverner adoça o café com piano preto. Lágrimas riscam o vidro embaçado do chalé; a chaleira treme à luz da lareira. Deus e solidão. Respiração mansa e aflita de boi no pasto. ‘Santa Chuva’: “meu coração vai se entregar à tempestade”. Violinos, violas, fagote, regência. Dois violoncelos amarrados amarelos arame farpado de feira.

Trompete, trombone. Tuba, flauta. Surdo, prato. Caixa, percussão. Arranjo, metais. Clarineta, clarone. Soprano, alto. Saxofones, carnaval. Relança ao céu o arco-íris e o sol transborda em correntes marítimas, rios e lagos, sais: “é o vento do mar, será que a gente chega, …”. ‘Copacabana’.

Naturalismo e poesia reduzida. Voz arrastada e o silêncio. Sonoplastias e ruídos estranhos. Incursões ‘Macalísticas’ e narrações fragmentadas. Renato Russo (disco V Legião) e melancolia morna. Vinhetas sonoras ambientam as músicas em tábuas. Dorival Caymmi (‘Vida Doce’): “toda beira é final de dois, eu deixo tudo sempre…”.

Atrás das matas guarda surpresa. No musgo tem o verde. Por entre a maré azulada há o branco das espumas. Crianças brincam na praia, é a infância que Camelo observa sitiado com um pingo (ou vários deles) de saudade.

Cantor

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com