100 anos de Jack Kerouac: artífice do movimento beat criou obra peculiar

*por Raphael Vidigal

“guinchos curtos com tristeza suficiente para despedaçar o coração de um pai e talvez fosse.” Jack Kerouac

Decadência, pobreza e depressão. Esse foi o cenário fértil no qual os chamados beats se encontraram para criar uma nova literatura, aliada a uma falta de sentido diante das perspectivas oferecidas pelo sistema capitalista, que financiava guerras como a do Vietnã. Diferentemente dos hippies, eles ofereciam uma noção mais urbana da existência, razão pela qual se encantaram com o jazz produzido pelos negros e o assimilaram à suas obras. O ritmo é fundamental na forma de escrita desse movimento quase espontâneo, em que a velocidade das ideias pode ser confundida com uma maneira displicente de levar a história para o papel, com forte influência da oralidade. E, ao se falar da geração beat, não se pode esquecer Jack Kerouac.

Principal artífice do movimento – ao menos, o mais conhecido, ao lado de Allen Ginsberg –, ele nasceu há um século, em Massachusetts, nos Estados Unidos, e continua influenciando legiões de jovens que se encantam com a sua forma simples e crua de abordar os dilemas mundanos, com altas doses de rebeldia e inconformidade que se misturam a uma melancolia atávica. Kerouac busca saídas para uma situação que, no fundo, ele parece considerar labiríntica. Afinal de contas, como sobreviver nesse planeta em que a liberdade surge como uma palavra proibida? A solução é apostar todas as fichas e lidar com as consequências. O romance que o consagrou, “Pé na Estrada”, de 1957, vai nessa direção. O caráter autobiográfico já se insinua predominante nessa obra.

O abuso de drogas e as noitadas de perdição dão o tom da narrativa, que se altera entre dias solares e entardeceres desalentadores, mas o protagonista segue sempre em frente. Outro livro bem menos referido, “Tristessa”, foi escrito na esteira desse sucesso, e publicado em 1960. Ali, no entanto, a réstia de esperança que Kerouac parecia cultivar em “Pé na Estrada” se apaga lentamente. O romance aborda a vida de uma prostituta viciada em morfina, em um cenário triste, desagregador, violento, que a aniquila com a mesma força e implacabilidade do passar do tempo. A única saída parece ser a autodestruição a que a personagem se entrega. Ligado umbilicalmente à sua obra, não espanta que, em 1969, aos 47 anos, Jack Kerouac tenha morrido de tanto beber, legando para uma geração ávida por seus textos um final bem sombrio.

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

[xyz-ips snippet="facecometarios"]