Centenários 2016: Newton Teixeira representou a música brasileira de duas décadas

“A deusa da minha rua
Tem os olhos onde a lua
Costuma se embriagar
Nos seus olhos eu suponho
Que o sol, num dourado sonho
Vai claridade buscar” Jorge Faraj & Newton Teixeira

Newton-Teixeira-musica

É da condição dos nossos compositores tornarem-se menos conhecidos que suas obras e mesmo os intérpretes delas. Também permanece na penumbra o motivo pelo qual Newton Teixeira supostamente fugia da polícia quando se encontrou com Sílvio Caldas numa noite de seresta. O bairro era a Vila Isabel, no Rio de Janeiro, reduto da boemia carioca que não podia deixar de contar com Noel Rosa, seu poeta, e outros bambas menos notórios, mas que foram fundamentais na consolidação do gênero mais arraigado à miscigenada raiz musical brasileira, o samba. Newton começou pelo estilo, mas se consagrou, sobretudo, pela marchinha “Mal me quer”, em parceria com Cristóvão de Alencar, gravada por Orlando Silva, e a valsa “Deusa da minha rua”, com Jorge Faraj, o maior sucesso de toda sua carreira, lançada pelo Caboclinho Querido.

Newton se arriscou a soltar a voz, mas uma cirurgia na garganta, em 1943, lhe obrigou a abandonar o ofício. O que não engessou a trajetória, pois era também hábil violonista, acompanhando os grandes cantores da época de ouro do rádio nacional, além dos já citados, o rei de todos, Francisco Alves. Os dois irmãos de Newton e seu pai igualmente enveredaram pelo caminho da música, como é possível constatar numa foto histórica, embora sem o mesmo relevo do mais ilustre Teixeira. Neuwvaldo tocava flauta, Valzinho o cavaquinho e o pai, Edgard Carlos, outro violão. Para além da influência que exerceu no período em que esteve em atividade, como um digno representante da música praticada no Brasil, em especial, nas décadas de 1930 e 1940, Newton foi regravado, a posteriori, por Zé Kéti, ainda em 1969, mas também Zélia Duncan, Cauby Peixoto, Nelson Gonçalves, Tito Madi, Roberto Carlos, António Zambujo e outros. Sua música deve ser mantida e apreciada, com o esmero dos raros.

Newton-Teixeira-compositor

Raphael Vidigal

Fotos: Arquivo e Divulgação.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com