Show: Zélia Duncan (ToTaTiando)

“e eleva o peso do espaço
com todas as palavras não ditas” Luiz Tatit & Alice Ruiz

Totatiando

Na obra do artista plástico (escultor e pintor) Giorgio de Chirico, as coisas, muito além de pessoas, objetos ou asas (à imaginação), por isso o genérico de tudo, estão acopladas, transmutam-se, refratam e declamam a união como num campo magnético conduzido por imãs.

A arte de Luiz Tatit é igual, posto que difusa, e diferente, à reclusa recusa o elemento comum, congruente. O teórico que se intrometeu na ação fez questão de ungi-la a partir das conotações de verbo: a palavra desdobrada e aviltante, surpreendente – assustando – é o ás do baralho.

Na boca de Zélia Duncan, no sexo, nas inflexões ciliares, capilares, corpulentas, a dicção perfeita espalha sons, manhas, meios, tomando por base o poema de Mário de Andrade, alguns personagens, tidos por reais como Itamar Assumpção, a própria cantora, outros fictícios, quando na mentira (verdade?) ambos (que ultrapassam dois) se misturam.

O pequeno contingente de músicos alocado à esquerda do palco (Tércio Guimarães, teclado; e Webster Santos, guitarra), a saia de seda chinfrim, as letras em tamanho irreal, as luzes como iridescentes lustres a descer e subir segundo as palpitações de gesto, coração, destino, o cenário a empurrar Zélia Duncan para fora do universo imaginário, enquanto segura seus pés de palhaço.

Na travessia para o passado em Brasília, as lembranças, despidas, desprevenidas, até um pouquinho espremidas, insuflam a intérprete a atravessar o limite, ao que se espantamo-nos com uma calorosa atriz, entre fala e canto, fado e manto: uma Atriz.

Como se dá isso? Tantas deflagrações do impossível, do que transporta, ultrapassa, contradições tão óbvias? É por um momento apenas a paixão por Vera, Sofia, Odete (eterna espera) mas se não lhe ouvem as poesias e não é tempo disso porque estamos atentos, curiosos, omissos?

Resumindo: Zélia está chorona, irremediavelmente feliz, complexa, simples, e na procura por um fim lancinante, que se aproxime da sensação do espetáculo, estou perdido, sem nexo, deslumbrado, aflito, digo não digo? Reflito: é desnecessário o findo, pego emprestado o que o autor me dita: “Que um rei que não morre, e nunca envelhece, e que é vitalício, é só o reinício.”

Seguimos.

Zélia Duncan canta Luiz Tatit

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

15 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade