Show: Wilson Souza

Músico apresentou repertório do novo disco no Conservatório UFMG

Contas a pagar

O desconhecido quase sempre gera desconfiança. Suspeita e medo que logo se desfazem aos primeiros acordes tocados no violão dedilhado por Wilson Souza, catarinense que há três anos trocou os mares do litoral pelas montanhas de Minas. E diz adorar Belo Horizonte, sendo que é possível acreditar pela espontaneidade e ânimo com que conduz o espetáculo.

Primeiro apresenta ‘Mulher’, para em seguida colocar na roda a música que dá nome ao show, a hipnotizante ‘Contas a pagar’, nome espirituoso que justifica a levada apreciada por seu condutor. Interrompendo a parte meramente instrumental, chama ao palco o primeiro convidado.

Guilherme de Marco auxilia com violão de luxo a atravessar o samba ‘Agora eu vou’ sem maiores percalços. O que não é tão possível na sorrateira ‘Paradoxo’, de bela instrumentação, mas letra pouco inspirada.

Na seqüência a platéia é brindada com uma das melhores performances da noite, com o adendo do fabuloso gaiteiro Guto Grandi ocorre um grande momento. A primeira música tocada pela dupla tem letra e melodia capazes de despertar as melhores sensações, infelizmente quebrada na aventura de mostrar ‘Medo’.

Philippe Lobo é o penúltimo convidado a subir ao palco, carregando o poderoso violão que fará companhia a Wilson na viagem por ‘Se é nesse mundo’ e ‘Sabará’, dois temas instrumentais de sublimação para ouvidos que procuram candura.

Sem que o violonista deixe o território, o flautista Lourenço Marques aparece com clarinete que rugeno gosto da tumba um som agradável e grave, sobrepujado pela voz e letra que dita o ritmo da canção ‘Sofá’, uma ironia com os tempos apressados dos dias atuais. Aliás, se destaca como a mais divertida e empolgante canção da apresentação.

Por fim, o roteiro claudicante abandona a convalescência de alguns momentos em seu sonoro e refinado encerramento, abalizado pelo talento para a instrumentalização que tem o bardo e improvável desconhecido Wilson Souza. Quem sabe um dia ouçamos apregoarem teu nome em cartazes e interfones. Nunca é demais imaginar.

músico catarinense

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

10 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade