Lenda do norte de Minas

“mas o reino da fantasia, assim como o da realidade evidente, pertence às bruxas.” Reinaldo Arenas

colosso-goya

Opulento, rústico, forte, grosseiro, mas afável. Adula o gesso da forma e não encontra meios para conter o ronco do motor. Faltam-lhe modos. De certo, faltam-lhe modos. Sem mover um músculo da face, herança e álibi dos escravos, Francisco desfia a mais interessante renda do céu de Santa Maria:

“– Numa noite silenciosa e larga, um menino saiu pelado pelas ruas da cidade gritando que tinha visto o diabo. As carolas ficaram rubras e desconjuraram o rapaz que antes era menino, mas agora que viam suas vergonhas eretas e hereges ele se transformara no mal e na moral (ou na falta dela) exposta e perturbadora. Mesmo com a revolta de todos contra ele, o menino pelado prosseguiu gritando que o diabo estava ali, à sua frente, rendendo a gôndola do mar invisível de Santa Maria, como roíam os ratos a terra amarela que ali se tinha. O padre foi o primeiro a ser chamado para contê-lo e usou de suas febres crentes:

– Menino, o que viu és tu mesmo. Está dentro de ti. Vamos lhe exorcizar, e amainar a dor e o sofrimento de seus familiares. A sua alma é perdida, menino doente, veste suas roupas, que o levaremos para a capela, a catedral, se for maior teu tormento.

O menino pelado seguiu gritando, agora sorrindo e apontando o dedo, escarnecendo da batina do padre, que mais parecia, dizia ele, mais parecia uma saia de menina tímida. Nisto o padre se irritou profundamente, e chamou a polícia. O batalhão da cidade foi o segundo a tentar contê-lo. Desta feita eram três fardados a convencer o pelado menino. Usaram de suas correntes pálidas:

– Menino, o que viu não existe, é alucinação somente, estás drogado. O mal está ao entorno. Sai desses becos perdidos, perde-se menino, com tal facilidade. O levaremos ao mausoléu, ao porão, à cadeia, lhe aplicaremos uma bela surra, quanto maior for teu tormento.

O menino pelado seguiu gritando, arreganhou ainda mais as mandíbulas, rindo desesperadamente, parecia hiena no cio, dissipava sua torrente de piadas em direção aos três fardados, e a farda deles, dizia, mais parecia uma plumagem de galinha. Alguns dos que acompanhavam a cena concordaram, e a risada deles foi o consentimento. Os três policiais se irritaram, três patetas batendo cabeça, ergueram os cassetetes, detonariam ali mesmo, como explosão, bomba e dinamite o pelado menino. Até que chegou a mãe dele. Algum abraço invisível conteve as armas dos três policiais.

A mãe se achegou, ajoelhou bem perto do menino, humildemente lhe pediu perdão. Disse que dela era a culpa. Ela era o demônio, ela o diabo. Confessou pecados. Na frente de todos, admitiu ter abandonado aquele menino, pelado, num cesto de lixo, uma tralha, enxotado, entre bananas podres, suas cascas, e vários mosquitos lhe rodeando. O menino riu e debochou da mulher, disse que mãe dele não era, e que o cabelo da velha alcançando a bunda no vestido longo, mais parecia com o rabo do demônio”.

goya-noite-das-bruxas

Raphael Vidigal

Pinturas: “O Colosso”; e “Sabatina das Bruxas”, de Goya, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade