Crítica: “Transformação” expõe o coração da mulher através do corpo

“Fascinado pelo contraste entre a porcelana, tão vívida e alerta, e o vidro, tão contemplativo e calado, ele se perguntou, pasmo e perplexo, como os dois tinham vindo a existir no mesmo mundo, para plantar-se, além do mais, no mesmo cômodo, na mesma estreita faixa de mármore. Mas a pergunta permaneceu sem resposta.” Virginia Woolf

Transformação é a segunda exposição de Raquel Albernaz

Segunda exposição de Raquel Albernáz, “Transformação” propõe início, meio e fim e, ao mesmo tempo, possui trajetória circular como os corpos das mulheres esculpidas em bronze e mármore. A primeira característica guarda-se nos textos que acompanham as obras e que, longe da tradição explicativa, trazem para o espectador justamente o complemento da poética instaurada. São frases de reflexão, existencialistas e, para além de afirmar, revogam a dúvida em favor da contemplação e da sabedoria inerente ao curso inefável da existência. Daí que as curvilíneas mulheres apontam para o movimento externo sempre calcado numa ebulição – por mais que serena – interior. Têm alma as personagens de Raquel Albernáz, que com o corpo seduzem para dentro de si.

A capacidade de Raquel em tornar vivas essas mulheres advém, provavelmente, de percepção melhor explicada por ela mesma: “atenta ao real, mas despreocupada com o realismo. Gosto de imagens leves, de viajar nas formas”. Desta abordagem podemos importar duas comparações com outras artes; em primeiro lugar o teatro dialético de Bertolt Brecht que considerava encontrar a verdade justamente na negação da tentativa de cópia, cujo resultado era preponderantemente algo caricato, ou seja, a força real do teatro reside em afirmar-se teatro, tal como nas artes plásticas, daí sua impressão, daí seu impacto. Ver uma mulher esculpida em pedra não é ver uma pedra esculpida em mulher. Em segundo lugar a questão da forma, pois ao observar as peças de Raquel Albernáz é impossível não se envolver como numa dança.

Serviço
Exposição de Raquel Albernáz – Transformação
Data: 22 de setembro a 4 de novembro de 2016.
Local: Museu Inimá de Paula (Rua da Bahia, 1201, Centro) – 2º andar.
Horários: terça, quarta, sexta e sábado das 10h às 19h.
Quinta, das 12h às 21h; Domingo das 12h às 19h. Entrada franca.

Exposição de Raquel Albernáz fica em cartaz no Museu Inimá de Paula

Raphael Vidigal

Imagens: Esculturas de Raquel Albernáz.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade